iFolha - As memoráveis trapalhadas dominicais

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 21 de Outubro de 2017
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 19/10/2017
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 03 de Outubro, 2017 - 17:13
As memoráveis trapalhadas dominicais

Didico (Lucas Veloso), Mussa (Mumuzinho), Zaca (Gui Santana) e Dedeco (Bruno Gissoni) são nos novos “Trapalhões” que estão agradando no remake do famoso humorístico / João Cotta-RG



Dedé (Dedé Santana) e Didi (Renato Aragão) os dois únicos “Trapalhões” remanescentes do grupo que encantou gerações / Maurício Fidalgo-RG

 

 

Há anos atrás, domingo não era domingo se não se assistisse pelo menos um pouquinho de Silvio Santos durante o dia e “Os Trapalhões” no começo de noite. Assim foram muitos domingos de quem viveu a evolução da televisão nesses últimos 40 anos. Claro, não podemos nos esquecer da “Zebrinha” do “Fantástico” que dava o resultado da loteria esportiva e também era marca do final da noite do domingo. Tempos bons que não voltam, ou será que voltam?

A “Zebrinha” do “Show da Vida” já se aposentou faz tempo, mas Silvio Santos ainda reina aos domingos com seu programa, mesmo que apenas à noite, bem diferente de sua época de ouro, quando entrava no ar às 11 horas da manhã e ia até às 10 da noite, num folego e espontaneidade de darem inveja a qualquer apresentador contemporâneo.

Mas agora “Os Trapalhões” ressurgiram das cinzas e começam a conquistar as novas gerações e as antigas também, que assistiam as trapalhadas do quarteto composto pelos personagens Didi, Dedé, Mussum e Zacarias. Aliás, Zacarias foi o primeiro desfalque da trupe, o comediante faleceu em 1990 e quatro anos depois, foi a vez de Mussum deixar mais triste o cenário artístico, com sua morte, um verdadeiro baque para os fãs do humorístico.

Neste ano, “Os Trapalhões” estão completando 40 anos e voltaram com quatro novos integrantes: Didico (Lucas Veloso), Dedeco (Bruno Gissoni), Mussa (Mumuzinho) e Zaca (Gui Santana). O quarteto continua a "levar a vida na flauta", mas desta vez conta com dois professores na arte da trapalhada: Didi (Renato Aragão) e Dedé (Dedé Santana), que retornaram ao ar como mestres dessa trupe, para ensiná-los a arte de ser um verdadeiro trapalhão.

Vale lembrar que a nova versão de “Os Trapalhões” estreou primeiro na TV paga, no Canal Viva e na TV aberta, no último dia 17, na tela da Globo. Todos os episódios também podem ser conferidos no Globo Play. O sexteto está revivendo uma história que conquistou o coração dos brasileiros, num resgate do humor malandro e ingênuo que mudou o lugar do riso na televisão brasileira.  

“Nessa vida, ninguém está só ensinando, a gente está sempre aprendendo. Durante as gravações a gente brincou e se divertiu o tempo todo, uns com os outros. Aqui não existe mestre e nem aprendiz, existe uma nova turma”, falou Renato Aragão, o eterno “trapalhão” Didi, sobre a convivência com os novos integrantes de “Os Trapalhões”. Dedé Santana, parceiro de Didi Mocó, também se emocionou. “Confesso que fiquei nervoso quando soube que ia voltar, mas quando comecei a conviver com eles, foi tudo muito bom”, revela Dedé.

Já a nova geração de “Os Trapalhões” também não cabe em si de contentamento e emoção. “No começo fiquei nervoso, porque não é todo mundo que grava com Didi e Dedé. Eu sou filho de comediante, tenho tudo deles. O Renato é um doce,  ensinou a gente a ser um trapalhão. O Didico não é o Didi e nem sou eu. Ele foi criado como um discípulo do Didi. Sei o tamanho da responsabilidade, mas quando a gente curte, esquece um pouco e se diverte com o trabalho. Estou fazendo com o coração”, falou Lucas Veloso, sobre seu personagem.  “A emoção é grande.  É um clássico brasileiro. Sou fã e não digo isso porque estou aqui. Eu assistia mesmo e estar ao lado desses ídolos é uma responsabilidade enorme. Dedé me deu muitas dicas e espero homenageá-lo. Foi uma experiência linda e tinha ataques de riso todos os dias”, admitiu Bruno Gissoni, que dá vida ao Dedeco.

Intérprete do Mussa, Mumuzinho se emociona ao falar de seu personagem: “Passei a infância assistindo ‘Os Trapalhões’. Quando eu era pequeno, brincavam que eu era o filho do Mussum, por causa do meu jeito de falar. Quando recebi o convite para participar do programa, o que eu mais queria era homenagear esse grande humorista. Não temos pretensão de nada. Só queremos honrar o que eles fizeram lá atrás e nos divertir”. “Bebi da fonte rica que era o Zacarias e tenho facilidade de fazer vozes e gestuais, mas tivemos liberdade dos autores. Durante as gravações, percebi que ser trapalhão é mais do que isso, é ser puro, simples e espontâneo. Cada vez que coloco a peruca, é uma emoção diferente” concluiu Gui Santana, que na nova versão interpreta o Zaca.

Inconcebível nos tempos atuais, as cenas de cunho sexual e exaltação de um corpo feminino estereotipado, o programa fazia piada com gays e negros, mas tudo isso foi abolido na nova versão que o público está acompanhando. Em uma entrevista, Renato Aragão revelou que na época “Os Trapalhões” não tinham a intenção de ofender ninguém, pois era um humor circense e ingênuo, mas concorda que se os episódios antigos fossem reexibidos, seria alvo de várias críticas.

“Buscamos manter a essência do grupo. Mas tivemos a oportunidade de colocar elementos da atualidade, como GPS e videogames nas piadas. Mas o espírito das situações remete à alegria de sempre” afirma Péricles Barros, responsável pela redação final da atração. “A volta dos 'Trapalhões' está baseada em dois pilares: é uma grande homenagem para quem quer matar a saudade e uma divertida novidade para quem nunca viu”, define Mauro Wilson, que assina a supervisão de texto. 
Para esta primeira temporada foram gravados nove episódios, mas como “Os Trapalhões” estão fazendo bonito na guerra da audiência, com certeza vem mais novidades para 2018


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
19 de Outubro, 2017
Polícia captura procurado condenado a 27 anos de prisão por estupro de vulnerável - 363
19 de Outubro, 2017
“Euripinho” quase foi transferido para São Paulo para fazer tratamento fisioterápico - 1081
19 de Outubro, 2017
Ampliação do Fórum poderá custar R$ 14 milhões - 171
19 de Outubro, 2017
Feriado em Olímpia registra maior ocupação hoteleira do ano - 101
16 de Outubro, 2017
Na novela da Record - 61


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
































Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites