iFolha - Boi de Mamão do Pantanal está confirmado no 55.º Fefol

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 19 de Outubro de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 14/10/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 23 de Junho, 2019 - 18:26
Boi de Mamão do Pantanal está confirmado no 55.º Fefol

Depois de ter ficado de fora de vários festivais e retornado no ano passado, a Associação Folclórica “Boi de Mamão do Pantanal”, da cidade de Florianópolis, Estado de Santa Catarina, também confirmou sua presença no 55.º Festival Nacional do Folclore (Fefol), que neste ano será realizado no período de 3 a 11 de agosto, no Recinto de Exposições e Praça de Atividades Folclóricas e Turísticas “Professor José Sant’anna”.

O grupo é considerado um dos mais antigos da capital catarinense, Florianópolis, e já se apresentou em edições anteriores do Fefol, inclusive no ano passado.

A associação retorna à Capital Nacional do Folclore para contar a tradicional história da morte e ressurreição do boi, um clássico da cultura de Santa Catarina, que conta personagens como a cabra, a bernúncia, o bode e a maricota.

INÉDITO DE GOIÁS
Também foi confirmado nesta semana, a presença do grupo Vilão de Santa Efigênia, da cidade de Catalão, Estado de Goiás, que, pela primeira vez se apresentará no festival. O grupo foi fundado em 1954, por Joaquim Coelho, também sob influência das festas realizadas em cidades mineiras.

A principal característica do Vilão são as manguaras, enfeitadas com fitas coloridas em suas pontas e que chegam a até 2 metros de comprimento.

Além das manguaras, os vilões, dispostos em duas fileiras, também evoluem com facões de madeira, que simbolizam a luta dos escravos. O apito do capitão dá o ritmo das batidas ensaiadas de uma vara na outra e é ele quem puxa o couro de vozes que canta em homenagem a Nossa Senhora. O caixeiro e o sanfoneiro puxam o ritmo.

“Estamos ensaiando quase que diariamente para levarmos para o palco do Festival nossa cultura e nossos costumes. Será uma honra estrearmos no maior encontro da cultura brasileira”, comemora o diretor do grupo, Clésio Arcanjo. De acordo com ele, o grupo sábado, dia 10, fará dois dias de apresentações. No total, são 46 integrantes.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
14 de Outubro, 2019
Tudo pronto - 560
14 de Outubro, 2019
Os cuidados durante a gravidez - 650
14 de Outubro, 2019
A Dona Do Pedaço – Vol. 2 – Trilha Sonora é lançado - 635
14 de Outubro, 2019
O documentário Hilda Hilst Pede Contato já está disponível - 624
14 de Outubro, 2019
Pão Integral de Aveia - 538


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
















Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites