iFolha - Coleta de lixo de Olímpia é a 11.ª na região com nota B

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 21 de Outubro de 2017
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 19/10/2017
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 17 de Setembro, 2017 - 21:59
Coleta de lixo de Olímpia é a 11.ª na região com nota B

Sem serviço de coleta seletiva e com baixo índice de reciclagem do lixo, o município de Olímpia ficou na 11.ª colocação na região noroeste e com uma nota B, na avaliação em limpeza urbana. As notas vão de A a E, de acordo com a escala elaborada pe­lo Sindicado das Empresas de Limpeza Urbana no Estado de São Paulo (Selur).

A informação consta no Índice de Sustentabi­li­da­de da Limpeza Urbana 2017 (Islu), elaborado pe­lo Selur, que faz uma análise da limpeza urbana dos municípios brasileiros.

As notas são dadas de acordo com a pontuação do município, que vai de 0 a 1. Quanto maior a nota mais perto a cidade está de conseguir a eficiência nesse setor, de acordo com o estudo. Olímpia obteve 0,706, melhor que São José do Rio Preto que ficou com letra C e nota 0,688.

O resultado poderia ser melhor, mas não foi por conta da falta de iniciativas que promovam a reci­cla­gem do lixo gerado. No item “Dimensão R”, que trata da recuperação de recursos coletados, a cidade obteve uma nota baixa. Isso significa que o município pouco recicla.

Para a elaboração do estudo, além da “Dimensão R”, foram utilizados outros três itens: a “Dimensão E”, item que analisa o engajamento do município; a “Dimensão S”, verificação da sustentabili­dade financeira do serviço de limpeza urbana; e “Dimensão I”, ou seja, o impacto ambiental causado pela cidade. Cada item tem um peso na conta final.

O ranking utilizou informações disponibilizadas no Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), índice que considera dados de coleta de lixo, meio ambiente e saúde pública. A Selur informa que não estipula critérios de eficiência porque considera que cada cidade tem sua particularidade, como população, renda, relevo, clima, cultura, educação, etc.

Na região de Rio Preto, sete a cada dez cidades tiraram nota C. O estudo analisou dados de 60 cidades do Noroeste paulista e 43 foram classificadas nesse patamar. Em dois casos – Severínia e Populina – o desempenho foi ruim. As duas tiveram nota D. A pior foi Severínia, com índice 0,570. A cidade ficou com 0 na questão de recuperação de recursos coletados, índice que tem peso de 22% no resultado final, e 0,646 em impacto ambiental, nota que representa outros 22% do Islu.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
19 de Outubro, 2017
Polícia captura procurado condenado a 27 anos de prisão por estupro de vulnerável - 363
19 de Outubro, 2017
“Euripinho” quase foi transferido para São Paulo para fazer tratamento fisioterápico - 1081
19 de Outubro, 2017
Ampliação do Fórum poderá custar R$ 14 milhões - 171
19 de Outubro, 2017
Feriado em Olímpia registra maior ocupação hoteleira do ano - 101
16 de Outubro, 2017
Na novela da Record - 61


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
































Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites