iFolha - Com Cunha o setor de saúde continua em baixa

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 05 de Dezembro de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 02/12/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 01 de Dezembro, 2019 - 16:00
Com Cunha o setor de saúde continua em baixa

Do Conselho Editorial

Por mais que finja que se esforce, ou se esforce de verdade, pois tudo depende do nível de capacidade de enfrentamento que cada um tem em relação ao problema, Cunha não conseguiu transformar o sistema de saúde local em algo confiável.

A população, totalmente descrente das políticas públicas implantadas pelo grupo de Hilário, Fernandinho e Hélio Lisse com a conivência de Fernando, patina, patina e não sai do lugar.

O grande problema é que o lugar, se comparado, é idêntico ou pior que o caos que Eugênio José deixou e Cunha prometeu mudar.

Antes era a dengue e outras doenças sazonais, agora, ao que tudo indica são as marcações de exames que demoram ou o atendimento em alguns casos de exames que necessitam ser realizados em outras cidades.

Por mais que negue sua culpa e talvez não tenha, Cunha responde pelo péssimo legado que o grupo irresponsável e sem noção de saúde pública ligado aos vereadores Fernan­dinho e Hélio, sob o comando de Hilário, deixaram.

A ideia de fundo de poço permanece com muitas queixas nas redes sociais e alguns boletins de ocorrência motivados pela política de apadri­nha­mento nefasta que conduziu ao poder muito mais possíveis cabos eleitorais ligados ao ex-vereador e aos vereadores, sem condição técnica alguma de estar lá.

Agora recomeça o período das chuvas e a tendência é a de que haja a volta do pernilongo, do Aedes aegypti, que é o mosquito transmissor da dengue e da febre amarela urbana.

Aedes (Stegomyia) aegypti  (ads do grego : “odioso” e ægypti do latim, significando “do Egipto”)

Como é do conhecimento geral, mas vale a pena repetir, o mosquito está bem adaptado a zonas urbanas, mais precisamente ao domicílio humano, onde consegue reproduzir-se e pôr os seus ovos em pequenas quantidades de água limpa e parada, isto é, pobres em matéria orgânica em decomposição e sais (que confeririam características ácidas à água), que preferivelmente estejam sombreados e no domicílio.

Bom, se reproduz os ovos em pequenas quantidades de água limpa e parada, supõe-se que seu período de reprodução coincida com o período chuvoso, por aqui, normal­mente, chove mais em novembro, dezembro, janeiro e fevereiro.

Percebe-se que está se iniciando o período de reprodução do aeds aegipt e o poder público, e a saúde, entregue a Hilário e seus fernandetes nem deram sinal de que estão pelo menos começando a se prevenir para que não ocorra a tragédia anunciada de sempre.

Os personagens de filme de terror com múmias do egito, confortáveis em suas milionárias pirâmides contam o soldo em forma de polpudo salário que recebem do lum­pezinato contribuinte e não se dão conta que passa da hora de se mobilizar, sair as ruas, espanar a poeira dos caixões e se preparar para que não haja safra nova de cadáveres provocada pela incompetência.

O momento é este e não adianta acordar do sono dos injustos mamadores das tetas públicas quando a epidemia bater a porta e derrubar a sanha arrecadatória do município por ausência de turistas.

Já dizia a canção que na América se ouviu, quem sabe faz na hora não espera o acontecer pra não se ouvir quem cantava chorar ao ver seu amigo partir.

Com Cunha o setor de saúde continua em baixa e o de sempre piorar.

Recado dado, se será ouvido, lido, só Deus pode responder; se não for lido e nenhuma solução apresentada é se preparar pra dar adeus aos que irão se encontrar com Deus por conta da irres­ponsa­bilidade do poder público, se acaso não tomar providências antes que o pior aconteça.

 

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
02 de Dezembro, 2019
No cinema nacional - 347
02 de Dezembro, 2019
Época do ano boa para se exercitar - 336
02 de Dezembro, 2019
Mano Walter apresenta a faixa e o clipe de “Tô Disponível” - 343
02 de Dezembro, 2019
O filme Luta de Classes já está disponível! - 361
02 de Dezembro, 2019
Panetone com Gotas de Chocolate - 348


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites