iFolha - Comissão anuncia mais 9 grupos de dois estados para o 55.º Fefol

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 21 de Julho de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 21/07/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 07 de Julho, 2019 - 18:41
Comissão anuncia mais 9 grupos de dois estados para o 55.º Fefol

Nove atrações dos Estados de Minas Gerais e do Rio de Janeiro foram anunciadas nesta semana como apresentações já certas para o 55.º Festival Nacional do Folclore (Fefol), que neste ano será realizado no período de 3 a 11 de agosto, no Recinto de Exposições e Praça das Atividades Folclóricas e Turísticas “Professor José Sant’anna”.

De Minas Gerais virão cinco grupos folclóricos, sendo um inédito. Os mineiros trarão ainda uma quadrilha como atração extra, que também vem pela primeira vez ao festival.


Com 116 anos de fundação, Filhos de Itamogi, da cidade de Itamogi, é uma mistura os ritmos da congada e do catupé; as congadas “Congo da Libertação” (foto à esquerda), de Ituiutaba, que possui 15 anos de fundação, e ‘Marinheiros do Prata’, de Pratápolis, também são conhecidas do público e estarão de volta na edição deste ano.

O grupo folclórico inédito de Minas é o Guarda de Moçambique, de Timóteo. Em coloridos trajes típicos, os congadeiros e devotos rezam cantando, dançando e tocando os instrumentos de percussão. Junto virá a quadrilha do Centro Cultural Arraial do Pé Vermelho, da cidade de Belo Horizonte.

Já do Rio de Janeiro virão os grupos “Mineiro Pau e Boi Pintadinho” (foto ao centro), de Santo Antônio de Pádua; Jongo da Serrinha, da cidade de Madureira, que fará participação especial no espetáculo de abertura do evento, na noite de 3 de agosto.

JONGO

Tido como “o pai do samba”, o jongo é uma herança cultural dos negros Bantus, trazidos para o trabalho forçado nas fazendas de café do vale do Paraíba no início do século XVIII. Sua história se mistura com a da cidade, do surgimento das primeiras favelas e do samba (foto à direita).

MINEIRO PAU

O Mineiro Pau de Santo Antônio de Pádua mostra danças de pares soltos envolvendo homens, adultos e crianças, sempre em número par, que, com um ou dois bastões, com os quais fazem a marcação dos tempos do compasso musical, executam complicada coreografia. Enquanto mulheres cantam, os homens batem os bastões de madeira.

O acompanhamento musical é feito com sanfona de oito baixos, bumbo, caixa, triângulo, chocalho e pandeiro. Suas encenações folclóricas são apresentadas com o Boi, a Mulinha, a Boneca e o Jaguará. Esses personagens vão sempre à frente dos dançadores para abrir a praça para o povo, fazendo encenações que não chegam a compor um enredo.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
21 de Julho, 2019
Cunha prevê que ETE comece a tratar o esgoto em setembro - 9
21 de Julho, 2019
Prefeitura instala mais uma “lombofaixa” e já anuncia convênio para implantar outras - 14
21 de Julho, 2019
Loteamento proposto por vereadores precisa provar que não reviverá trauma do Maranata - 14
21 de Julho, 2019
Niquinha e Marcão Coca anunciam loteamento popular pelo Facebook - 18
21 de Julho, 2019
A incógnita de 2020 começa a mostrar sua cara. “Talquei?” - 32


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       


























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites