iFolha - Criança precisa de cuidado extra no Verão

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 17 de Dezembro de 2017
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 13/12/2017
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 04 de Dezembro, 2017 - 17:14
Criança precisa de cuidado extra no Verão

As temperaturas sobem e os adultos querem aproveitar os dias na piscina ou na praia. Quem tem criança, principalmente com menos de cinco anos, deve tomar cuidados especiais para evitar acidentes desagradáveis.

Os pediatras explicam que a partir dos quatro meses, é possível levar os bebês à piscina, sempre acompanhado de um adulto e em horários alternativos (antes das 10h00 ou após 16h00, para protegê-lo dos efeitos nocivos do sol). Encarar a água do mar só é recomendado após 12 meses, vale a mesma dica de horários alternativos e não se esqueça do protetor solar.

Como a pele do bebê é mais fina do que dos adultos e o espaço entre suas células é maior, facilitando a absorção de substâncias e perda de água com mais facilidade, o protetor solar deve ser usado após os seis meses somente. Assim evitamos irritações, alergias e até intoxicações. Os produtos indicados são aqueles feitos para crianças, não contêm corantes ou odores fortes. Opte pelos dermatologicamente testados e por aqueles com proteção UVA e UVB.

Só leve o bebê ao sol antes das 10h00 ou depois das 16h00. Além do protetor solar, é importante pensar nas barreiras físicas para proteger os pequenos, como guarda-sol, chapéu/boné e camisetas. Também é importante oferecer líquidos com frequência para evitar que a criança sofra desidratação.

O sol em horário específico é importante para que uma substância conhecida como colecalciferol, que está adormecida na pele, ganhe forma ativa e se transforme em vitamina D no organismo. Alguns minutos por dia são fundamentais, afinal a vitamina D é importante para formação e desenvolvimento de ossos e dentes.

A areia da praia é outro item que merece atenção. Embora cães e gatos sejam proibidos em praias, não há fiscalização suficiente e os dejetos desses animais podem trazer doenças de pele. Além disso, crianças pequenas têm o costume de levar tudo à boca.

Ao circular por vestiários, áreas de lazer na piscina ou mesmo na praia, a criança deve estar sempre calçada. Na hora de enxugar os pequenos, preste atenção nas dobrinhas, regiões entre os dedos das mãos e dos pés devem ficar bem secos.

Horas prolongadas ao sol e falta de ingestão de líquidos leva à desidratação e causa insolação.  Crianças com insolação costumam apresentar febre, cansaço, falta de ar, vômito, diarreia e diminuição da urina. Se apresentar esses sintomas, comece a hidratação em casa, antes mesmo de chegar ao pediatra. A velha receita do soro caseiro (1 copo de água para 1 colher (sopa) de açúcar e 1 colher (sobremesa de sal) é fácil de fazer em qualquer lugar.

As assaduras provocadas pelas fraldas pioram no verão. Isso acontece porque as crianças transpiram, o local da fralda já é mais úmido, e como os pequenos se movimentam, gerando fricção, as irritações na pele são quase inevitáveis. Além de trocar a fralda com frequência, várias vezes ao dia, os pediatras aconselham deixar as crianças sem elas durante os dias mais quentes para arejar o corpo. Também é importante evitar o uso de lenços umedecidos.

Para evitar intoxicação alimentar, evite alimentos prontos, fritos ou que contenham ovo, maionese, manteiga. Troque por alimentos frescos, como frutas da estação, sucos naturais e vegetais, sempre bem lavados. O ideal é não consumir produtos na rua ou vendidos na praia. Se não houver opção, é necessário saber a procedência e optar por alimentos menos perecíveis, como bolachas e biscoitos, por exemplo.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
13 de Dezembro, 2017
Daemo assina contrato para perfuração e reestruturação de poços - 109
13 de Dezembro, 2017
Programação cultural do Natal Encantado continua nesta quinta - 87
13 de Dezembro, 2017
Jurista Luiz Flávio Gomes faz palestra na Casa do Advogado nesta quinta-feira - 114
13 de Dezembro, 2017
Trabalhador fica assustado ao saber de dívida de R$ 200 mil em loja de eletrodomésticos - 668
13 de Dezembro, 2017
Estelionatário vende panela por R$ 100, mas cobra R$ 1000, no cartão de crédito - 429


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites