iFolha - Delegado não descarta que bombeiro tinha a intenção de matar o prefeito

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 15 de Abril de 2021
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 15/04/2021
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA


Olimpia, 02 de Abril, 2021 - 14:39
Delegado não descarta que bombeiro tinha a intenção de matar o prefeito

QUEM É VÍTIMA E QUEM É ACUSADO?
Delegado afirma em coletiva que não pode garantir a segurança de ninguém. No entanto, em outro momento da entrevista, ressaltou a possibilidade de o bombeiro incendiário correr risco de morte se for preso. Ele também confirmou a possibilidade de o acusado ter pensado em matar o prefeito de Olímpia.

DA REDAÇÃO
COM FOLHA DE SÃO PAULO

O delegado Marcelo Pupo de Paula em entrevista coletiva convocada na Delegacia de Polícia local para falar sobre a descoberta do autor do atentado incendiário à Folha da Região de Olímpia, ao citar parte do interrogatório do bombeiro municipal Cláudio José Azevedo de Assis, o Cláudio Báia, em que ele afirma com todas as letras que sentiu vontade de matar um político, não descartou a possibilidade de que a pessoa citada seja o prefeito Fernando Cunha.

Aliás, o prefeito, que confirmou as informações e que entende que elas podem ser verdadeiras, já tomou várias providências no sentido de garantir a sua segurança e para esclarecer os fatos e já descobriu outras situações que envolvem o bombeiro que garantiriam a tese de que ele realmente teria tido a intenção de atentar contra ele também.


O prefeito, que está em isolamento e em tratamento contra a Covid-19 confirmada na quinta-feira, aguarda o início da próxima semana para discutir com seu advogado quais as medidas que deverá tomar no sentido de garantir a sua segurança e esclarecer se existem outras pessoas ligadas ao bombeiro municipal, que também poderiam ter preparado ou estar preparando de um possível atentado contra a sua pessoa.

NÃO GARANTE
SEGURANÇA DE NINGUÉM

Na entrevista, o delegado ao dar suas explicações e responder as perguntas dos jornalistas, sobre o bombeiro incendiário que  confessou o crime, ao ser inquirido sobre o fato de o acusado ter continuado em liberdade e o temor que isso pode provocar nas vítimas, após as explicações técnicas, chegou a ressaltar que “não pode garantir a segurança de ninguém”.

Por outro lado, em outro momento, acabou destacando o perigo que o bombeiro pode correr se for preso de ser morto por outros detentos.

Ele também confirmou que existe a possibilidade de o acusado ter pensado em matar o prefeito de Olímpia, Fernando Cunha, mas não foi além do que já tinha sido divulgado pelo advogado do bombeiro incendiário através da divulgação do seu interrogatório no dia anterior.

NA FOLHA DE SÃO PAULO
O jornal Folha de São Paulo estampou em seu site, na quinta-feira, o segundo título: ”Autor de ataque a jornal em Olímpia era contra medidas de restrição à Covid, diz polícia. Editor de jornal que teve sede incendiada defende isolamento para conter pandemia; bombeiro confessou o crime e responde em liberdade”.

Na matéria ilustrada com fotografias do fachada do jornal e fotos e vídeo do momento do incêndio, o tradicional grande jornal paulista publica:

CONFESSOU E SAIU LIVRE
O ataque à sede do jornal Folha da Região em Olímpia (SP), onde funciona também o portal IFolha e uma rádio comunitária, foi cometido por um bombeiro municipal que não aceitava as medidas de restrição à Covid-19 defendidas pelo jornalista proprietário dos veículos, disse nesta quinta-feira (1º) a Polícia Civil da cidade.

O bombeiro Cláudio José Azevedo de Assis, 55, se apresentou na quarta-feira (31), confessou o crime e responde em liberdade.

O crime foi cometido no último dia 17, quando o imóvel que abriga o jornal, o portal e a rádio, além da residência do editor no andar superior, foi alvo de um ataque que provocou um incêndio. O jornalista José Antônio Arantes, 62, sua mulher e uma neta acordaram às 4h30 com as chamas e a fumaça provocadas pelo ataque.

O combustível usado no incêndio foi jogado na porta do jornal e um balde com o restante do líquido foi abandonado no local.

Segundo o delegado Marcelo Pupo de Paula, Assis não concordava com a linha editorial do jornal.

VEÍCULO TEM FEITO
DURAS CRÍTICAS A NEGACIONISTAS

Com a pandemia, o veículo tem feito duras críticas a negacionistas e defende o isolamento social como medida de contenção da Covid-19.

O jornal semanal é o mais antigo e tradicional de Olímpia, com mais de 40 anos de existência, e é o único que circula em versão impressa no município, que fica na região de São José do Rio Preto.

Além de editar o jornal, Arantes apresenta, com sua filha, um programa diário de rádio que é também transmitido por redes sociais. Ele é presidente da Rádio Cidade, uma emissora comunitária.

No jornal e em suas falas, adota postura de defender as medidas de isolamento social e fechamento de atividades não essenciais, transformando o jornalista em alvo de ataques nas redes sociais ainda na semana anterior ao incêndio.

Com 55 mil habitantes, Olímpia tem 23 mil leitos em sua rede hoteleira, o que dá uma dimensão da importância do turismo para o desenvolvimento econômico local.

De acordo com o delegado, foi possível chegar à autoria do crime após análise de câmeras de segurança, que mostram Assis saindo de sua casa em uma moto, com uma mochila nas costas, às 4h10 do dia 17. O crime ocorreu minutos depois.

APÓS O CRIME VIAJOU
PARA LINHARES (ES)

O bombeiro, após o crime, viajou para Linhares (ES) e retornou na quarta-feira (31). A polícia soube e foi à sua casa, onde reside com a mãe e uma irmã, mas não o encontrou - tinha ido ao médico.

Os policiais tiveram autorização da família para entrar no imóvel e encontraram a moto estacionada na varanda, além da mochila e de um capacete, no quarto. Os três itens foram apreendidos.

“Confrontamos a mochila que está apreendida com as imagens do dia do incêndio e não houve nenhuma dúvida de que era a mochila utilizada. Depois, o advogado me ligou dizendo que estava com ele no escritório e que ele queria confessar o crime”, disse o delegado de Olímpia.

De acordo com ele, o bombeiro confessou o ataque, mas a investigação não está concluída. Assis responderá inicialmente pelo crime de incêndio.

“Cabe a mim investigar os pontos que não acreditar ou não aceitar. Mas ele de imediato fala dos problemas familiares, dos problemas pessoais, das divergências escritas pelo proprietário da Folha da Região, o senhor Arantes, fala até mesmo da Covid que ele tinha pego e tudo, mas que agiu sozinho e não tem nenhuma outra pessoa envolvida no fato”, disse.

FALTA DESCOBRIR
OUTRAS PESSOAS ENVOLVIDAS

Ainda de acordo com o delegado, não há dúvidas sobre a autoria, mas falta ainda descobrir se há ou não um mandante e outras pessoas envolvidas. Por isso, ele pediu a quebra do sigilo telefônico do servidor municipal e pedirá a quebra do sigilo bancário.

À polícia Assis disse que jogou seus celulares num rio entre Olímpia e Severínia. Por isso, na próxima segunda-feira (5), a polícia também irá pedir ao Corpo de Bombeiros que faça uma varredura no fundo do rio em busca dos aparelhos.

Assis não teve prisão decretada, segundo o delegado, por ter feito uma confissão espontânea.

“O ato covarde, essa mancha na vida dele, vai ficar pelo resto da vida, só que ele não tem histórico de violência, a ficha policial dele é limpa, ele tem emprego fixo, tem residência fixa, reside com a mãe e a irmã, os filhos estão na cidade, ele é filho de Olímpia e está na ativa. Não vou pedir por ora, mas não descarto num futuro próximo se entender necessário”, disse.

CRITICOU O PREFEITO NO DEPOIMENTO
Em seu depoimento, ele chegou a criticar, pelos mesmos motivos apontados contra o editor do jornal, o prefeito de Olímpia, Fernando Cunha (PSD), que nesta quinta foi diagnosticado com Covid-19.

“Ele falou que não conhece o Arantes, [tem] apenas divergências nas colocações do escritor, do jornalista, nas escritas dele, que ele não aceita, e essas divergências que causou, ele estava meio revoltado com governantes, [...] talvez o Fernando Cunha, prefeito, desses lockdowns, dessas coisas que muitos vão contra, mas a ciência, os médicos, a Organização Mundial da Saúde, são a favor. Eu também sou e o Arantes também é. Por isso ele também seria um desses motivos”, afirmou o delegado.

REPÚDIO À CONDUTA
DO BOMBEIRO INCENDIÁRIO

Assis atua há mais de 20 anos na unidade local do Corpo de Bombeiros.

A Prefeitura de Olímpia divulgou comunicado em que manifestou “repúdio à conduta” do servidor público, o afastou de suas funções e vai instaurar um processo administrativo.

“Em depoimento, entre as causas, o servidor cita motivações políticas e administrativas e, inclusive, faz ameaças a governantes, com ênfase na figura do prefeito municipal. Diante da gravidade do fato, o município informa que irá afastar o servidor de suas funções e instaurar um processo administrativo para apurar a ocorrência, tendo em vista que, mesmo que seja uma ação particular ocorrida fora do expediente, o ato é totalmente incompatível com os princípios do cargo público que o mesmo ocupa”, diz trecho do comunicado.

A prefeitura ainda disse que desde o início tem colaborado com as investigações policiais.

A Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) e o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo se solidarizaram com o jornalista e sua família pelo ataque sofrido em Olímpia.

Em nota divulgada pela Folha da Região, a Associação Nacional de Jornais (ANJ) condenou o ataque e afirmou que aguardava a apuração do ocorrido.

"Os ataques ao jornalista têm partido dos que negam a necessidade de medidas como essa na cidade. A violência contra jornais e jornalistas é um grave sinal de extremismo autoritário, que merece a pronta reação de toda a sociedade. É preciso que os criminosos que atentaram contra a Folha da Região e vêm ameaçando José Antônio Arantes sejam logo identificados, processados e punidos pela Justiça. O país e as instituições não podem permitir que crimes como este fiquem impunes", diz o texto.

A Folha não conseguiu ouvir a defesa do bombeiro na noite desta quinta-feira.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
15 de Abril, 2021
Bombeiro incendiário teve que ser escoltado para prestar depoimento na prefeitura e cinco entidades representativas de jornalistas formam comissão para acompanha caso do editor da Folha, foram os temas do Cidade em Destaque de quarta-feira, 14.04.2021. - 26
15 de Abril, 2021
Cidade em Destaque de terça-feira, 13.04.2021 comentou a intolerância e ódio incontidos: advogados jogam ácido em carro de outro advogado. - 34
14 de Abril, 2021
Com 06 mortos em 03 dias Olímpia vai a 18 em abril e 172 na pandemia - 116
14 de Abril, 2021
Casos confirmados de covid caem de 50 para média de 30 por dia - 90
14 de Abril, 2021
Pista da ponte da Waldemar com Aurora está interditada - 65


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       














Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites