iFolha - Desvendando os mitos da gagueira

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 21 de Outubro de 2017
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 19/10/2017
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 10 de Outubro, 2017 - 14:00
Desvendando os mitos da gagueira

A população em geral dispõe de pouco conhecimento sobre o problema da disfluência, comumente conhecido como "gagueira". Desta forma, a pessoa que gagueja acaba sofrendo preconceito na hora de buscar uma colocação profissional, em uma entrevista de emprego, no ambiente de trabalho ou em seu ambiente de convívio familiar e social.

O fato é que o gago é sempre motivo de piada e brincadeiras e, muitas vezes, não é levado a sério, devido à sua dificuldade de fala.

Pode parecer brincadeira, mas ainda há quem pense que a gagueira é contagiosa. Isso é o mais completo absurdo. Não existe a menor possibilidade e esta ideia deve ser combatida, pois se trata de um cruel preconceito.   

Os estudos científicos mostram que a gagueira tem um caráter genético. Desta forma, nos casos de herança genética, pessoas da mesma família, de diferentes gerações, podem manifestar gagueira.

Por enquanto, não há cura para a gagueira, no sentido de eliminar o caráter genético e/ou orgânico envolvido. O que existem são diferentes linhas de tratamento para a promoção da fluência, de forma a reduzir os sintomas, que são repetições, prolongamentos, pausas, bloqueios e outros problemas ao falar. Por ser um distúrbio de fala, o profissional indicado é o Fonoaudiólogo.  

Atualmente, a tecnologia é uma grande aliada no tratamento de algumas pessoas que gaguejam. Alguns aparelhos têm mostrado excelentes resultados na promoção de fluência da fala.

No Brasil, o SpeechEasy está sendo comercializado há bastante tempo. Ele age no cérebro desencadeando o efeito coro, um fenômeno natural que reduz a gagueira. É uma opção de tratamento importante, uma vez que pode ser de grande auxílio em situações agravantes para aqueles que gaguejam, como reuniões e apresentações em público. O SpeechEasy já é comercializado em diversos países do mundo e os resultados positivos estão sendo relatados por meio de diversos estudos.

O SpeechEasy é um tratamento possível, que une tecnologia avançada e conforto para a pessoa que gagueja, mas deve ser utilizado em combinação com tratamento fonoaudiológico especializado para que seu benefício seja otimizado.

O SpeechEasy é um dispositivo portátil, usado na orelha e confeccionado de forma personalizada para cada usuário. O objetivo dele é reproduzir o efeito coro, por isso é utilizado na orelha.

Explicando melhor, o efeito coro é um fenômeno natural e tema de muitas pesquisas há décadas. Ele ocorre quando uma pessoa que gagueja fala ou lê ao mesmo tempo em que outra pessoa, reduzindo a gagueira. O SpeechEasy, por fazer a voz do usuário alcançar o cérebro com um ligeiro atraso e com um tom diferente, fornece a sensação da pessoa estar falando ao mesmo tempo em que outro indivíduo, desencadeando o efeito coro, que reduz a gagueira.

As pessoas devem encorajar a pessoa que gagueja a falar, dando atenção e demonstrando interesse em conversar com ela. Não se deve pedir para a pessoa ter calma, pensar, respirar e falar devagar. Além disso, deve-se esperar que a pessoa que gagueja termine de falar, sem completar a fala dela, o que muitas vezes acontece de forma equivocada.

A fala se desenvolve principalmente nos três primeiros anos de vida. Entre os 2 e os 6 anos, é comum que a criança apresente dificuldade em falar algumas palavras ou alguns sons mais difíceis. Neste período de aquisição de linguagem, a criança pode gaguejar, por estar em plena fase de aprendizagem da língua e por ainda não ter certeza de como pronunciar determinados sons. Nesses casos, pode haver a remissão espontânea da gagueira, quando o processo de aprendizagem se completa. Porém, a gagueira pode evoluir e se manifestar de diversas formas e intensidades entre as pessoas e em diferentes períodos da vida de uma mesma pessoa. A gagueira costuma oscilar entre períodos de maior ou menor fluência. Caso a gagueira comece a ficar mais frequente, recomenda-se avaliação e tratamento ou acompanhamento fonoaudiológico. Quanto mais cedo o tratamento for iniciado, melhores poderão ser os benefícios da terapia.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
19 de Outubro, 2017
Polícia captura procurado condenado a 27 anos de prisão por estupro de vulnerável - 363
19 de Outubro, 2017
“Euripinho” quase foi transferido para São Paulo para fazer tratamento fisioterápico - 1081
19 de Outubro, 2017
Ampliação do Fórum poderá custar R$ 14 milhões - 171
19 de Outubro, 2017
Feriado em Olímpia registra maior ocupação hoteleira do ano - 101
16 de Outubro, 2017
Na novela da Record - 61


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
































Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites