iFolha - Do preço das mentiras da família Bolsonaro ao das mentiras dos olimpienses

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 14 de Novembro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 13/11/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 21 de Outubro, 2018 - 22:03
Do preço das mentiras da família Bolsonaro ao das mentiras dos olimpienses

Do Conselho Editorial

Este jornal, no seu dever e obrigação de informar, vem de algum tempo discutindo os vários aspectos das mentiras nas redes sociais e quais os possíveis danos à sociedade ou a quem pratica a desinfor­ma­ção deliberada ou inocentemente.

É muito comum se criar personagens anônimos ou fatos conhecidos como “fake” e impulsionar na rede e a mentira “viralizar” ao ponto da maioria imaginar que a informação possa ser verdadeira.

Assim, muitas reputações foram atingidas e mui­tos aproveitadores se valeram desta possibilidade que a ferramenta inter­net propõe para destruir desafetos e adversários.

No terreno da política, após as eleições de Do­nald Trump, eleito sob suspeita de uso exagerado de noticias falsas, o fenômeno ganhou corpo e foi frequentar outras candidaturas mundo afora.

No Brasil, a candidatura extremista de Jair Bolso­naro buscou o apoio de Steve Bannon, antigo estrategista chefe da campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com histórico de utilizar fake news para promover a extrema-direita, com discursos ligados à supremacia branca, homofobia e misoginia.

Bannon é partidário de ideais populistas de extrema-direita, e é acusado de manipular as eleições norte-americanas em 2016 através do uso excessivo das fake news, mesma estratégia que se notava na campanha de Bolsonaro.

Esta semana a reportagem da Folha de São Paulo denunciou o uso de fake news na campanha de Bolsonaro e o escândalo circulou o mundo.

Os partidos que disputaram o primeiro turno e se sentiram prejudicados pela hipótese de que o abuso econômico possa ter modificado o resultado das urnas representaram junto ao TSE e pediram a cassação de Bolsonaro e do vice Mourão.

Como discutido no editorial da semana passada, o fundamentalismo religioso, a vocação para o nazifascismo, conserva­dorismo, ingenuidade, até mesmo a crueldade, fizeram com que muitos eleitores não consigam avaliar as possíveis falhas contidas na candidatura de Jair Bolsonaro.

Seus discursos através dos anos têm chocado a mídia Internacional, e a população Europeia que, quando em contato com suas falas agressivas, não consegue se conformar que ele consiga ser candidato a presidente da República com posturas tão repugnantes e distantes do padrão civilizatório, algo que não encontra paralelo nos piores discursos proferidos por Hitler.

Esta semana a máscara parece ter caído evidenciando que a quantidade absurda de notícias mentirosas pode ter influenciado o resultado do primeiro turno.

Alguns empresários foram denunciados de financiar estes impulsos o que pela legislação eleitoral pode ser crime punível com a cassação do registro de candidatura e a inele­gibilidade por até oito anos.

Para corroborar a denúncia, hoje a imprensa informou que o próprio filho de Bolsonaro, Flávio Bolsona­ro, noticiou que o WhatsApp baniu o número de seu telefone das redes sociais e que continha naquele número milhares de grupos com os quais se comunicava.

Para bom entendedor um pingo e um risco é Francisco.

A situação eleitoral depois da denúncia se complicou em razão de o TSE ter que tomar posição em meio a polarização gigantesca desta eleição que dividiu o país, em razão da possível irresponsabili­dade cometida por uma candidatura que pode ter sido inflada por mentiras, como se suspeita foi a de Trump, em um momento bastante tenso.

Encaminhando para as questões locais, para se estabelecer um paralelo e um nexo entre as questões, para que não passe em branco o atual momento sem registro.

Em 11 de março de 2018 este jornal publicava o texto “Anônimo não defende cidadania, defende a covardia. Portanto, Sebastião Santos você é apenas um covarde.” Onde alertava para mentiras na internet e possíveis danos de futuras reparações a quem emite opinião difamando, injuriando ou caluniando, ou mesmo compartilhando opiniões visando estes objetivos.

Esta semana alguns olimpienses foram notificados para se defender em relação a postagens de dois anônimos que postavam mensagens tidas co­mo inadequadas e mentirosas no Face, e estão dando pulos para conseguir quem os defenda, pois agora perceberam que su­as valentias atrás do computador tem preço e hora marcada com a justiça.

Deste editorial, que nada tem a ver com a questão investigada, mas que deveria ter sido alvo de investigação, se não estiver prescrito o direito de representação, pinçare­mos parte do texto que alertava os que lá iam se expor emitindo opinião crendo ser tão anônimos quanto o Sebastião Santos e detentores da mesma impunidade que ele achava gozar.

“Deve saber e não informa que há julgados e não são poucos em que o provedor, ao colocar à disposição dos usuários um serviço em que podem expressar livremente sua opinião, deve também criar meios através dos quais seja possível identificar os seus usuários, sob pena de se permitirem manifestações anônimas que venham a ferir os direitos da personalidade de terceiros, sem que se possa identificar o ofensor.”

“Lógico que deve abrigar sua loucura no exterior e rastreá-lo seria quase impossível. Esquece, porém, de informar aos seus seguidores, identificáveis ou identificados, que podem responder pelo comparti­lhamento, se compartilham, concordam, e pelas opiniões emitidas.”

Não foi Sebastião Santos o alvo da representação, foram outros anônimos, que agora deixarão de ser já que foram rastreados.

Tivessem lido o editorial os que lá emitiram sua opinião crédulos da impunidade talvez não estivessem contando moedas ou bens para dis­ponibilizar para contratar um defensor nas ações que irão enfrentar.

Esta questão local remete a nacional, em razão dos ânimos acirrados, muitas pessoas estão emitindo opiniões e divulgando fakes que poderão trazer dificuldades a sua vida e nem todo mundo conta com a equipe jurídica e o patrimônio de um Jair ou Flávio Bolsonaro.

Muitos, ao lerem este editorial, dirão que a outra parte também fez isto, por confundir manifestações pessoais, de apoio, como há também na campanha de Bolsonaro e, se equivocada, deve responder pela ilicitude, no entanto, tal apoio é intransferível e diferente de apoio econômico que pode desequilibrar a campanha.

O ideal seria que nada disto estivesse acontecendo e que os candidatos estivessem propondo o que irão fazer pelo bem da nação, o que, vergonhosamente, em razão de fakes e outras histórias paralelas, não está acontecendo.

Só existe cidadania quando se garantem os direitos de todos e se cobram os deveres de todos.

Cidadania não pode ser isto. Cidadania é compromisso histórico, participa­ção direta e ativa nas decisões e ações da sociedade; é participação pluridi­men­sional sendo, ao mesmo tempo, participação política, econômica, social, psíquica, cultural e ética.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
13 de Novembro, 2018
Thermas dos Laranjais é a 4.ª melhor do Brasil em gestão de pessoas do “Valor Econômico” - 64
13 de Novembro, 2018
3.º Jantar Beneficente em prol da Santa Casa lota o salão social do Thermas dos Laranjais - 87
13 de Novembro, 2018
Geninho entra com Habeas Corpus para não quebrar o seu sigilo bancário e fiscal - 316
12 de Novembro, 2018
O caos na Saúde pública local e a miopia de quem se nega a ver - 94
12 de Novembro, 2018
Tratando a pele do modo certo - 63


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites