iFolha - Eleições e o combate ao fakenews

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 19 de Dezembro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 18/12/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 29 de Julho, 2018 - 12:54
Eleições e o combate ao fakenews

Do Conselho Editorial

Esta semana o Facebook tomou uma decisão que deixou surpresos os pregadores de falsas informações na rede.

Quase duzentas páginas ligadas ao MBL foram retiradas do Facebook deixando de desinformar mais de um milhão de seguidores.

Grande parte das pretensas informações destas páginas prestavam um desserviço a sociedade, pois, por mais que se alegue o pretenso direito a livre manifestação expresso na Constituição, considerando- se além do elevado número de notícias mentirosas que eram produzidas, o fato de que  grande parte das páginas estavam sob anonimato.

O artigo 5º, inciso IV, da Constituição Federal assegura a liberdade de manifestação do pensamento, mas veda o anonimato.

E a proibição ao anonimato tem um só propósito, qual seja, o de permitir que o autor do escrito ou da publicação possa expor-se às consequências jurídicas derivadas de seu comportamento abusivo.

Nisso consiste, portanto, a “ratio” subjacente à norma, que, inscrita no inciso IV do art. 5º da Constituição da República, proclama ser ‘livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato’.

Embora os envolvidos tenham se manifestado furiosamente em relação a retirada das páginas do Facebook, em grande parte motivada pela influencia que estas páginas tiveram no resultado das eleições americanas, o Facebook é uma empresa da iniciativa privada podendo, como a mídia, filtrar o que entende enquanto ideal do ponto de vista ético para publicar.

A internet havia se transformado em uma terra de ninguém e o recente caso Mariely deixou bastante evidente como a mentira prosperava na rede envolvendo cidadãos de má fé e inocentes uteis que discordando da ideologia, ou pensamento pessoal denigrem a imagem do que se opõe, opta pela mentira.

No caso dos anônimos o caso era mais grave ainda, pois retirava do que era atacado, agredido, caluniado, difamado ou injuriado o direito de recorrer a justiça para ver sua honra reabilitada.

Em Olímpia, por mais que se zanguem algumas manjadas figuras do meio político, às portas da eleição, um número não pequeno de anônimos tomou a rede mundial de computadores para, às ocultas provocar fatos políticos através de in­ver­da­des e de ataques pessoais aos que divergem deles.

Após a repercussão da retirada deste número nada pequeno de páginas vinculadas ao MBL, tem se observado um ambiente mais tranquilo e menos hostil nas redes, o que pode ser bom sinal em relação as eleições de outubro que se imaginava seria sangrenta e de muito baixo nível nas redes.

O TSE já havia emitido sinais de preocupação em relação a esta questão e convocado os partidos a assinarem pactos de boa convivência e civilidade visando uma eleição calcada em princípios e propósitos.

Por mais que esperneiem e aleguem riscos à democracia, é óbvio que não se constrói um país sério e decente com mentiras e muito menos com covardes que se ocultam no anonimato para atacar pessoas ficando impune e o que é pior, tirando a honra das pessoas e não lhes conferindo ao menos a possibilidade de defesa.

Perdeu o MBL e os covardes anônimos e ganhou o país.

 Que sirva de lição a eles e as metralhadoras locais que se colocam acima da lei e da punição.

Do Conselho Editorial

Esta semana o Facebook tomou uma decisão que deixou surpresos os pregadores de falsas informações na rede.

Quase duzentas páginas ligadas ao MBL foram retiradas do Facebook deixando de desinformar mais de um milhão de seguidores.

Grande parte das pretensas informações destas páginas prestavam um desserviço a sociedade, pois, por mais que se alegue o pretenso direito a livre manifestação expresso na Constituição, considerando- se além do elevado número de notícias mentirosas que eram produzidas, o fato de que  grande parte das páginas estavam sob anonimato.

O artigo 5º, inciso IV, da Constituição Federal assegura a liberdade de manifestação do pensamento, mas veda o anonimato.

E a proibição ao anonimato tem um só propósito, qual seja, o de permitir que o autor do escrito ou da publicação possa expor-se às consequências jurídicas derivadas de seu comportamento abusivo.

Nisso consiste, portanto, a “ratio” subjacente à norma, que, inscrita no inciso IV do art. 5º da Constituição da República, proclama ser ‘livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato’.

Embora os envolvidos tenham se manifestado furiosamente em relação a retirada das páginas do Facebook, em grande parte motivada pela influencia que estas páginas tiveram no resultado das eleições americanas, o Facebook é uma empresa da iniciativa privada podendo, como a mídia, filtrar o que entende enquanto ideal do ponto de vista ético para publicar.

A internet havia se transformado em uma terra de ninguém e o recente caso Mariely deixou bastante evidente como a mentira prosperava na rede envolvendo cidadãos de má fé e inocentes uteis que discordando da ideologia, ou pensamento pessoal denigrem a imagem do que se opõe, opta pela mentira.

No caso dos anônimos o caso era mais grave ainda, pois retirava do que era atacado, agredido, caluniado, difamado ou injuriado o direito de recorrer a justiça para ver sua honra reabilitada.

Em Olímpia, por mais que se zanguem algumas manjadas figuras do meio político, às portas da eleição, um número não pequeno de anônimos tomou a rede mundial de computadores para, às ocultas provocar fatos políticos através de in­ver­da­des e de ataques pessoais aos que divergem deles.

Após a repercussão da retirada deste número nada pequeno de páginas vinculadas ao MBL, tem se observado um ambiente mais tranquilo e menos hostil nas redes, o que pode ser bom sinal em relação as eleições de outubro que se imaginava seria sangrenta e de muito baixo nível nas redes.

O TSE já havia emitido sinais de preocupação em relação a esta questão e convocado os partidos a assinarem pactos de boa convivência e civilidade visando uma eleição calcada em princípios e propósitos.

Por mais que esperneiem e aleguem riscos à democracia, é óbvio que não se constrói um país sério e decente com mentiras e muito menos com covardes que se ocultam no anonimato para atacar pessoas ficando impune e o que é pior, tirando a honra das pessoas e não lhes conferindo ao menos a possibilidade de defesa.

Perdeu o MBL e os covardes anônimos e ganhou o país.

 Que sirva de lição a eles e as metralhadoras locais que se colocam acima da lei e da punição.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
18 de Dezembro, 2018
O livro 21 dias chegou nas livrarias - 72
18 de Dezembro, 2018
Os destaques da Globo para este final de ano - 26
18 de Dezembro, 2018
Em Malhação; Todos comemoram as notícias sobre o estado de saúde de Amanda e Leandro. - 27
18 de Dezembro, 2018
Saiba um pouco mais de João Vicente de Castro - 26
18 de Dezembro, 2018
Férias maravilhosas na República Checa - 26


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       




























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites