iFolha - Folha de São Paulo dá destaque e faz matéria detalhada do atentado incendiário a esta Folha

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 15 de Abril de 2021
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 15/04/2021
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA


Olimpia, 06 de Abril, 2021 - 19:12
Folha de São Paulo dá destaque e faz matéria detalhada do atentado incendiário a esta Folha

CASO SÉRIO!
Bombeiro incendiário que colocou fogo no
jornal repercutiu outra vez nacional e
internacionalmente. Folha destacou que
bombeiro confessou o crime e
vai responder em liberdade.

DA REDAÇÃO COM FOLHA DE SÃO PAULO

Além dos veículos co­mo TV Globo e até jornal de Por­tugal (foto), a descoberta do autor do atentado à Folha da Região, co­mo sendo um bombeiro incendiário, repercutiu mais uma vez, nacional e internacionalmente.

Desta vez, até o jornal Di­­ário de Notícias de Portugal repercutiu o fato. O tradicional jornal paulis­tano, Folha de São Paulo, no entanto, além de dar destaque para a notícia, acabou publicando matéria detalhada sobre o a­tenta­do incendiário contra es­te jornal.

A Folha de São Paulo, na quinta-feira, 01, estampou o segundo título: ”Autor de ataque a jornal em O­lím­pia era contra medidas de restrição à Covid, diz po­lícia. Editor de jornal que teve sede incendia­da defende isolamento para conter pandemia; bombeiro confessou o crime e responde em liberdade”.

Na matéria ilustrada com fotografias da fachada do jornal e fotos e vídeo do momento do incêndio, o tradicional grande jornal paulista publica:

O ataque à sede do jornal Folha da Região em Olím­pia (SP), onde funciona também o portal iFolha e uma rádio comunitária, foi cometido por um bombeiro municipal que não aceitava as medidas de restrição à Covid-19 defendidas pelo jornalista proprietário dos veículos, disse nesta quinta-feira (1º) a Polícia Civil da cidade.

CONFESSOU

O CRIME E RESPONDE

EM LIBERDADE

O bombeiro Cláudio Jo­sé Azevedo de Assis, 55, se apresen­tou na quarta-feira (31), confessou o crime e responde em liberdade.

O crime foi cometido no último dia 17, quando o i­móvel que abriga o jornal, o portal e a rádio, além da residência do editor no andar superior, foi alvo de um ataque que provocou um incêndio. O jornalista José Antônio Arantes, 62, sua mulher e uma neta acordaram às 4h30 com as chamas e a fumaça provoca­das pelo ataque.

O combustível usado no incêndio foi jogado na porta do jornal e um balde com o restante do líquido foi a­bando­na­do no local.

Segundo o delegado Mar­­celo Pupo de Paula, Assis não concordava com a linha editorial do jornal.

VEÍCULO TEM FEITO

DURAS CRÍTICAS

A NEGACIONISTAS

Com a pandemia, o veículo tem feito duras críticas a ne­ga­cionistas e defende o isolamento social como medida de contenção da Covid-19.

O jornal semanal é o mais antigo e tradicional de Olím­pia, com mais de 40 anos de existência, e é o único que circula em versão impressa no município, que fica na região de São José do Rio Preto.

Além de editar o jornal, Arantes apresenta, com sua filha, um programa diário de rádio que é também transmitido por redes sociais. Ele é presidente da Rádio Cidade, uma emissora comunitária.

No jornal e em suas falas, adota postura de defender as medidas de isolamento social e fechamento de atividades não essenciais, transformando o jornalista em alvo de ataques nas redes sociais ainda na semana anterior ao incêndio.

Com 55 mil habitantes, Olímpia tem 23 mil leitos em sua rede hoteleira, o que dá uma dimensão da importância do turismo para o desenvolvimento econômico local.

De acordo com o delegado, foi possível chegar à autoria do crime após análise de câ­me­ras de segurança, que mos­tram Assis saindo de sua casa em uma moto, com uma mochila nas costas, às 4h10 do dia 17. O crime ocorreu minutos depois.

APÓS O CRIME VIAJOU

PARA LINHARES (ES)

O bombeiro, após o crime, viajou para Linhares (ES) e retornou na quarta-feira (31). A polícia soube e foi à sua casa, onde reside com a mãe e uma irmã, mas não o encontrou — tinha ido ao médico.

Os policiais tiveram autorização da família para entrar no imóvel e encontraram a moto estacionada na varanda, além da mochila e de um capacete, no quarto. Os três itens foram apreendidos.

“Confrontamos a mochila que está apreendida com as imagens do dia do incêndio e não houve nenhuma dúvida de que era a mochila utilizada. Depois, o advogado me ligou dizendo que estava com ele no escritório e que ele queria confessar o crime”, disse o delegado de Olímpia.

De acordo com ele, o bombeiro confessou o ataque, mas a investigação não está concluída. Assis responderá inicialmente pelo crime de incêndio.

“Cabe a mim investigar os pontos que não acreditar ou não aceitar. Mas ele de imediato fala dos problemas familiares, dos problemas pessoais, das divergências escritas pelo proprietário da Folha da Região, o senhor Arantes, fala até mesmo da Covid que ele tinha pego e tudo, mas que agiu sozinho e não tem nenhuma outra pessoa envolvida no fato”, disse.

FALTA DESCOBRIR

OUTRAS PESSOAS

 ENVOLVIDAS

Ainda de acordo com o delegado, não há dúvidas sobre a autoria, mas falta ainda descobrir se há ou não um mandante e outras pessoas envolvidas. Por isso, ele pediu a que­bra do sigilo telefônico do servidor municipal e pedirá a quebra do sigilo bancário.

À polícia Assis disse que jogou seus celulares num rio en­­tre Olímpia e Seve­rínia. Por isso, na próxima segunda-feira (5), a polícia também irá pedir ao Corpo de Bombeiros que faça uma varredura no fundo do rio em busca dos aparelhos.

Assis não teve prisão decretada, segundo o delegado, por ter feito uma confissão espontânea.

“O ato covarde, essa man­cha na vida dele, vai ficar pelo resto da vida, só que ele não tem histórico de violência, a ficha policial dele é limpa, ele tem emprego fixo, tem residência fixa, reside com a mãe e a irmã, os filhos estão na cidade, ele é filho de Olímpia e está na ativa. Não vou pedir por ora, mas não descarto num futuro próximo se entender necessário”, disse.

CRITICOU O PREFEITO

NO DEPOIMENTO

Em seu depoimento, ele chegou a criticar, pelos mesmos motivos apontados contra o editor do jornal, o prefeito de Olímpia, Fernando Cunha (PSD), que nesta quinta foi diagnosticado com Covid-19.

“Ele falou que não conhece o Arantes, [tem] a­penas divergências nas colocações do escritor, do jornalista, nas escritas dele, que ele não aceita, e essas divergências que causou, ele estava meio revoltado com governantes, [...] talvez o Fernando Cunha, prefeito, des­ses lockdo­wns, dessas coisas que muitos vão contra, mas a ciência, os médicos, a Organização Mundial da Saúde, são a favor. Eu também sou e o Arantes também é. Por isso ele também seria um desses motivos”, afirmou o delegado.

REPÚDIO À CONDUTA

DO BOMBEIRO

INCENDIÁRIO

Assis atua há mais de 20 anos na unidade local do Corpo de Bombeiros.

A Prefeitura de Olímpia divulgou comunicado em que manifestou “repúdio à conduta” do servidor público, o afastou de suas funções e vai instaurar um processo administrativo.

“Em depoimento, entre as causas, o servidor cita motivações políticas e administrativas e, inclusive, faz ameaças a governan­tes, com ênfase na figura do prefeito municipal. Diante da gravidade do fato, o município informa que irá afastar o servidor de suas fun­ções e instaurar um processo administrativo para apurar a ocorrência, tendo em vista que, mesmo que seja uma ação particular ocorrida fora do expediente, o ato é totalmente incompatível com os princípios do cargo público que o mesmo ocupa”, diz trecho do comunicado.

A prefeitura ainda disse que desde o início tem colaborado com as investigações policiais.

A Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) e o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo se solidarizaram com o jornalista e sua família pelo ataque sofrido em Olímpia.

Em nota divulgada pela Folha da Região, a Associação Nacional de Jornais (ANJ) condenou o ataque e afirmou que aguardava a apuração do ocorrido.

“Os ataques ao jornalista têm partido dos que negam a necessidade de medidas como essa na cidade. A violência contra jornais e jornalistas é um grave sinal de extremismo autoritário, que merece a pronta reação de toda a sociedade. É preciso que os criminosos que atentaram contra a Folha da Região e vêm a­mea­çando José Antônio Aran­tes sejam logo identificados, processados e punidos pela Justiça. O país e as instituições não podem permitir que crimes como este fiquem impunes”, diz o texto.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
15 de Abril, 2021
Bombeiro incendiário teve que ser escoltado para prestar depoimento na prefeitura e cinco entidades representativas de jornalistas formam comissão para acompanha caso do editor da Folha, foram os temas do Cidade em Destaque de quarta-feira, 14.04.2021. - 24
15 de Abril, 2021
Cidade em Destaque de terça-feira, 13.04.2021 comentou a intolerância e ódio incontidos: advogados jogam ácido em carro de outro advogado. - 30
14 de Abril, 2021
Com 06 mortos em 03 dias Olímpia vai a 18 em abril e 172 na pandemia - 111
14 de Abril, 2021
Casos confirmados de covid caem de 50 para média de 30 por dia - 88
14 de Abril, 2021
Pista da ponte da Waldemar com Aurora está interditada - 65


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       














Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites