iFolha - Grand Canyon, uma paisagem de encher os olhos

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 24 de Outubro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 22/10/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 01 de Outubro, 2018 - 11:44
Grand Canyon, uma paisagem de encher os olhos

Na Reserva Indígena de Hualapai tem o Grand Canyon Skywalk, um mirante cujo piso de vidro avança sobre o desfiladeiro. Está localizado a 1450 metros acima do Rio Colorado / GB Imagem

 



Um dos pontos mais visitados no Grand Canyon é a Torre de Vigia de Desert View; decorada interiormente com arte indígena, foi construída em 1932, imita uma torre pré-histórica e oferece vista espetacular do desfiladeiro / GB Imagem

 

 

 

 

 

Encantador e um destino turistico fenomenal é o Grand Canyon, nos Estados Unidos. Uma depressão que o Rio Colorado moldou durante milhares de anos à medida que suas águas percorriam o leito, aprofundando-o ao longo de 446 quilômetros. Este espetáculo da natureza chega a medir entre 6 e 29 quilômetros de largura e atinge profundidades de 1600 metros. Cerca de 2 milhões de anos da história geológica da Terra foram expostos pelo rio, quando este e os seus afluentes cavaram  camada após camada de sedimentos. O Grand Canyon foi visto pela primeira vez por um europeu em 1540, o espanhol Garcia Lopez de Cardenas. A primeira expedição científica ao desfiladeiro foi dirigida pelo Major John Wesley Powell por volta de 1870. O explorador referiu-se ao lugar como "páginas de um belo livro de histórias". No entanto, a área era já ocupada por nativos americanos que estabeleciam povoados ao longo do desfiladeiro. Hoje o Grand Canyon é considerado uma das sete maravilhas naturais do mundo e visitado por milhares de turistas dos quatro cantos do planeta, gerando receita para as cidades e populações ribeirinhas ao desfiladeiro.

O enorme desfiladeiro tem várias áreas diferentes, todas com infraestrutura para receber visitantes; a parte mais famosa é o Parque Nacional do Grand Canyon, que está dividido em duas grandes áreas, o lado norte (North Rim), que é mais acessível, e o lado sul (South Rim). No extremo oeste do desfiladeiro ficam a Reserva Indígena de Havasupai e a Reserva Indígena de Hualapai.

E falando em reserva indígena, em Hualapai foi construído um maravilhoso mirante, o Grand Canyon Skywalk, cujo piso de vidro avança sobre o desfiladeiro e oferece ao visitante inusitada vista do cânion. Situado a 1450 metros acima do Rio Colorado, é proibido fotografar e para ter  acesso a esta região do parque é preciso comprar ingresso separado.

O Grand Canyon é Patrimônio Mundial da Unesco; descer o cânion equivale a uma viagem no tempo. Os índios hopis viveram naquela área por mais de mil anos e consideram o lugar sagrado, especialmente Sipapu, uma abertura na rocha localizada na confluência dos rios Colorado e Little, a leste do Grand Canyon. O local está fora do circuito de visitas; segundo os hopis, o ser humano e os animais emergiram de um mundo mais antigo, dentro da terra, para este mundo no qual vivemos.

É bom saber como é o clima na região. É a unanime a opinião de que é uma terra de extremos, ou seja, pode ser muito quente durante o dia e gelado, à noite porque prevalece o clima desértico. Ao mesmo tempo pode ocorrer neve no topo do desfiladeiro enquanto que se toma banho de sol de verão às margens do rio. Especialmente para quem pretende caminhar pelo desfiladeiro precisa ter cuidados extras, precavendo-se contra o calor e contra o frio.

As cidades mais próximas são Las Vegas e Phoenix; partindo do aeroporto destas cidades, o mais usado é Aeroporto do Parque Nacional do Grand Canyon situado na entrada do lado sul do parque, local onde se dirige a maioria dos visitantes, inclusive aqueles que chegam de carro.

Dotado de completa infraestrutura, nem só de granito cinza e branco, arenito vermelho e branco, calcário vermelho-escuro e argila verde é feito o Parque do Grand Canyon. O visitante conta com um moderno centro que inclui cinema, livrarias, exposições, posto de gasolina, banheiros com chuveiros individuais, restaurantes e área de camping.

Um dos pontos mais visitados é a Torre de Vigia de Desert View; decorada interiormente com arte indígena, foi construída em 1932 e imita uma torre pré-histórica e oferece vista espetacular do desfiladeiro.

Se a intenção é levar presentes para quem ficou em casa, um dos melhores lugares é a Casa Hopi, no Grand Canyon Village. Trata-se de uma casa centenária que abriga uma loja especializada em arte indígena, com maravilhosos tapetes e cerâmica, entre outros interessantes objetos.

Já deu para perceber que o Grand Canyon não pode ser visto em um dia, então você poderá permanecer no local hospedado no Hotel de El Tovar. De instalações rústicas e confortáveis, o hotel foi construído em 1905 e é um local fascinante. A vista da varanda dos quartos é magnífica.

O Lipan Point é um mirante através do local se tem vista panorâmica do desfiladeiro que fica ainda melhor ao pôr-do-sol.

O Museu de Yavapai mostra todo o processo de formação do desfiladeiro através de exposições, maquetes e fotos que contam a interessante história geológica da área.

Também é interessante a história dos indígenas que habitavam a região. O Museu de Tusayan mostra como era a vida destes povos há 800 anos, através de objetos tais com uma completa coleção de olaria, objetos domésticos, artesanatos e estátuas.

Muito famosa, por isso mesmo muito fotografada é a “Horse Horseshoe Bend” uma imensa curva em forma de ferradura executada pelo curso do  rio Colorado a poucos quilômetros da cidade de Page, no Arizona. Pode ser acessada por meio de uma trilha, envolvendo caminhada de cerca de uma milha e meia, para nós, pouco menos que 2500 metros pelo deserto, partindo da rodovia U.S. 89.

Não é possível descrever as maravilhas do Grand Canyon em simples palavras, o bom mesmo é conferir ao vivo e a cores. Fale com seu agente de viagens.

.

 

 

 

 

 



Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
22 de Outubro, 2018
Os olhos na mira da beleza - 39
22 de Outubro, 2018
O CD Espelho da Vida chegou nas lojas - 37
22 de Outubro, 2018
O filme Custódia chegou nas locadoras - 39
22 de Outubro, 2018
Sobremesa de Banana da Naná - 44
22 de Outubro, 2018
Compota Quente de Frutas - 50


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites