iFolha - Hebe Camargo fez história na televisão

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 05 de Agosto de 2020
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 04/08/2020
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA


Olimpia, 27 de Julho, 2020 - 15:22
Hebe Camargo fez história na televisão

1- Na primeira fase da série, interpretando a juventude de Hebe Camargo e seu início de carreira está a atriz Valentina Herzage / Fábio Rocha-RG

 

2- Já na segunda fase da série, a apresentadora Hebe Camargo ganho vida através da atriz Andréa Beltrão /  Fábio Rocha-RG

 

3- Na série se revezam na interpretação da apresentadora Valentina Herzage, no período de 1943 a 1954, e Andréa Beltrão, entre 1965 a 2012 / Fábio Rocha-RG

 

4- Dona de um posicionamento atemporal, Hebe Camargo, a “Rainha da TV”, tinha voz ativa e não se calou até o final de sua vida. A palavra “tabu” era algo que não fazia parte de seu vocabulário ou imaginário. Hebe lutava pelo direito de se posicionar sobre tudo aquilo que acreditava ser importante discutir / Fábio Rocha-RG

 

5- Muitas passagens na trama trazem à tona o lado determinado da artista, como a necessidade de se impor para ser respeitada dentro dos ambientes profissionais desde o início de sua trajetória artística / Fábio Rocha -RG

 

Sucesso no Globoplay, agora chegou a vez de “Hebe” estrear na telinha da Globo, mostrando aos telespectadores a trajetória que uniu coragem, força de vontade e carisma de Hebe Camargo. Sem medo de dizer o que pensava e de correr atrás de seus sonhos, a apresentadora conquistou seu espaço e tornou-se um dos símbolos da televisão brasileira. E é essa história que o público vai conferir a partir da noite de quinta-feira, dia 30, nos dez episódios da série 'Hebe', que irá ao ar semanalmente na TV aberta.

Diretor artístico da obra, Maurício Farias falou do trabalho e da alegria em ver a série chegar à TV aberta. "Fazer a série foi muito interessante pelo desafio de representar essa personagem que ficou tanto tempo no ar. Era uma mulher de muitas qualidades e contradições. Ela viveu muito à frente do seu tempo. A televisão tem esse poder enorme de falar para milhões de pessoas, e é uma alegria e uma oportunidade incrível poder falar com todo o nosso país. Fiquei muito feliz com o resultado do trabalho". Já a diretora Maria Clara Abreu ressalta a importância da figura de Hebe. "Eu sinto que estamos falando de uma alma e um percurso feminino, caminhando com todas as questões do que é ser mulher".
Carolina Kotscho, autora de “Hebe”, reforçou o sentimento de Maurício sobre a chegada da série à TV e comenta sobre a pesquisa que fez. "Se a Hebe estivesse viva me contando a história dela ela, ia me contar uma edição, um resumo de tudo. Mas na pesquisa, pelas entrevistas que ela deu ao longo da vida, eu a tinha em cada explosão. E o que foi sendo marcante para mim foi determinando a narrativa. Eu fiquei muito emocionada com o resultado".
Na série, se revezam na interpretação da apresentadora Valentina Herzage, no período de 1943 a 1954, e Andréa Beltrão, entre 1965 a 2012. As atrizes analisaram a figura de Hebe e falaram das referências para interpretá-la. "Muitas coisas pegaram para mim, mas uma das mais difíceis foi o sotaque, que era muito desafiador. Eu tinha poucas referências da Hebe jovem, e eu tinha que trabalhar a fala e a musicalidade. Eu acho que fazer a fase jovem é muito legal porque eu me identifico muito com a curiosidade que ela tinha das coisas. Acho que nunca me diverti tanto em um trabalho quanto nesse", afirma Valentina. Já Andrea contou que assistia aos programas de Hebe com a avó, mas que só conheceu a história dela quando leu o roteiro. "Eu me apaixonei por ela, pela coragem de ser quem era. Foi muito difícil interpreta-la, mas me senti muito apoiada pela equipe de criação e tudo foi levado para que a gente chagasse a um lugar de interpretação e releitura livre dessa mulher. E juntos conseguimos. Esse trabalho teve essa alegria de conseguir construir uma mulher que era mãe, era filha, era careta e queria ser livre", revela a atriz.
Personagem central na vida de Hebe, Lélio Ravagnani, seu segundo marido, é interpretado na série por Marco Ricca. O ator falou do trabalho ao lado de Andrea Betrão e elogia a parceria com a colega em cena. "Eu sou paulista, eu conhecia a Hebe. E se a gente vai fazer um personagem que já existiu a gente tem que achar uma pessoa com a energia dessa personagem. A Andrea chegou nesse lugar com a Hebe. Nosso trabalho é feito de encontros afetivos e com esse casal (Maurício e Andrea) eu tenho essa facilidade. Nós nos divertimos muito, com todos os trabalhos que a gente fez".

Autêntica, espontânea e independente, Hebe Camargo – uma das mais queridas e inesquecíveis apresentadoras da TV brasileira, também cantora e atriz – ganhou novos holofotes nesta série que passeia por toda sua trajetória e a revela como autora da própria história. “Hebe” mostra como a menina pobre do interior ignorou os olhares tortos, de quem não entendia sua coragem, para estar inteira e ter o direito de ser mulher, artista, mãe, e de ter voz e ser feliz sem ter que fazer concessões. Carregada nas cores, contradições, sorrisos e lágrimas, que durante quase 60 anos entraram nas casas de milhões de pessoas, a loira tornou-se o símbolo da própria televisão. Encarnou mil papéis na figura glamorosa de uma pessoa só e, sem nunca deixar de ser quem sempre foi: Hebe Maria Monteiro de Camargo Ravagnani. 
É a partir dessa ótica, para além da conhecida imagem diante das câmeras, que a série “Hebe” desvenda o lado mais humano e íntimo de uma das mais carismáticas e controversas personalidades brasileiras, mostrando o que acontecia quando as luzes se apagavam. “Acho muito bonito reconstruir as histórias de uma pessoa inteira, com tudo o que ela enfrentou e as marcas que ela tem. Tem gente que se encolhe a cada vez que apanha da vida e tem gente que cresce quando isso acontece. Cada tropeço que a Hebe teve deu uma força três vezes maior para ela continuar. Só que isso tem consequência, tem uma dor que esse sucesso, esse sorriso e esse brilho carregam”, pontua Carolina.

No elenco estão ainda Gabriel Braga Nunes, Danton Mello, Ângelo Antônio, Caio Horowicz, Flávio Migliaccio, Walderéz de Barros, Sandra Corveloni, Daniel de Oliveira, Emílio de Mello, com as participações de Camila Morgado, Otávio Augusto, Cláudia Missura, Felipe Rocha, Selma Egrei, Stela Miranda e Laila Garin, entre outros.

Com certeza, vale a pena conferir!


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
04 de Agosto, 2020
Na terça Olímpia bateu outro recorde absoluto de casos de covid-19: 70 em 24 horas além de mais uma morte - 210
04 de Agosto, 2020
Cidade em Destaque de terça-feira, 04, teve como tema principal a 11ª morte por covid-19 e a situação da pandemia em Olímpia. - 76
04 de Agosto, 2020
Olímpia registra a 11.ª morte por Covid-19, a primeira em agosto - 212
03 de Agosto, 2020
Olímpia inicia a 1.ª semana de agosto com mais 68 casos de covid-19 e 21 pacientes internados - 206
03 de Agosto, 2020
Cidade em Destaque de segunda-feira, 03.08, comentou mais uma morte na Santa Casa, o funcionamento do gripário e a situação da pandemia. - 134


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       








Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites