iFolha - Lamana acredita que o aumento da água volta após eleição de outubro

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 01 de Outubro de 2020
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 30/09/2020
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA


Olimpia, 02 de Fevereiro, 2020 - 19:41
Lamana acredita que o aumento da água volta após eleição de outubro

PAUSA PARA A VOTAÇÃO?       Se fala em reduzir investimento significa que vai reajustar depois.

Quem tem poço próprio paga apenas pelo esgoto.

O ex-superintendente do Daemo, Otavio Lamana Sar­­ti, em entrevista que concedeu no início da semana ao programa “Cidade em Destaque” que é transmitido pela Rádio Cidade e também através do “You­tu­be” e “Facebo­o­k”, afirmou ter ficado apreensivo com as declarações que ouviu do prefeito e temer que o retorno do reajuste de 20% em cima da tarifa de esgoto pode voltar após a eleição, principalmente se ele se reeleger.

Lamana assim se expressou: “O que me deixou um pouco preocupado na fala dele é quando ele justifica que não vai fazer o aumento e os procedimentos que vai tomar por não ter dado esse aumento, um deles é reduzir o investimento do Daemo. Então, se vai reduzir o investimento, acho que agora não aumenta mais o preço da água até eleição, mas depois da eleição, ou ele não faz nada ou aumenta o preço. Provavelmente, vai aumentar o preço”. 

“O Daemo, conta o ex-superintendente, logo no início do governo Cunha, tinha uma série de planos para desenvolver a autarquia;  tanto no tratamento de esgoto, quanto na entrega da água na casa do cidadão. Nós vimos que nos últimos três anos, isso não encaminhou muito bem e os fatos estão aí a­contecendo e com uma série de agravantes que no momento vem à tona em mais um aumento no preço de água um tanto quanto abusivo”, asseverou. 

SOBRE REAJUSTE PROGRESSIVO

Sobre o reajuste progressivo, Lamana explicou: “O que acontecia no passado é que nós tínhamos falta de água na cidade, problema de captação. Então, era preciso fazer alguma coisa para inibir o consumo. Em­bora o preço progressivo não seja da minha época, entendo que era um fator limi­tan­te para fornecer essa água. Vo­cê tinha pouca água, então tinha que ficar melhor distribuída e por isso se pagava mais ca­ro. Mas hoje, com os poços que temos aí, nós temos água sobrando, mas acontece que ela não está chegando”.

E continua: “Então, o que seria justo fazer no Daemo daqui para frente? Você fazer a média de consumo e que acontece, a­quele cidadão que consome os 10m3 o ano inteiro e aí ele chegou lá na frente, ele estourou um mês ou dois, você não ia ma­jorar, porque você vinha co­bran­do - mais ou menos tipo que a CPFL faz, ela cobra médias. Conforme vai subindo ou descendo o seu consumo, você tem uma média. Nós já tínhamos estudado isso lá na infor­mática. É lógico que quem gastou mais, vai ter que pagar um pouco mais. Mas, não dessa forma”. 

Sobre se é justa cobrança de valor igual ao consumo da água para o esgoto decretado no final do ano pelo atual prefeito e revogada na semana passada, o ex-superintendente acredita que 100% não.

“Por exemplo, quando você drena uma piscina que você jo­ga essa água lá na sarjeta, ela entra na rede de águas pluviais. Ela não é uma água contaminada. Aquela água que às vezes a dona de casa lava a calçada, essa água não é considera esgoto. Eu acho os 80% muito justo. Esse parâmetro é histórico que seria em sempre cobrar os 80%, porque os outros 20% é água de consumo para você beber e água pluvial”, disse. 

E continuou: “Agora a questão é a seguinte: quanto custa para tratar esses 80%? Entendo que o órgão público não po­de visar lucro ou arrecadar pa­ra cuidar do canil por e­xem­plo. Tem que levar em consideração o custo e já prever a necessidade de investimento e aplicar a tarifa justa. Se esta for incompatível com a capacidade da população, então seria necessário achar uma forma de equacio­nar o problema. Mas, custo é custo”.

QUEM TEM POÇO PROPRIO PAGA APENAS ESGOTO

Perguntado se os poços particulares pagam alguma coisa ele foi claro: “Não!”. Ela paga uma taxa de esgoto. E adiantou que nos casos dos poços particulares o Daemo não faz exame nenhum e as pessoas que costumam pegar água no lugar, a­cabam correndo o risco de estar consumindo água contaminada”, adiantou.

Segundo ele, a taxa de esgoto neste caso, não tem como ser aferida pelo consumo de água, então o Daemo faz uma estimativa com base no histórico de consumo anterior ao poço e pelos equipamentos que o sujeito tem em casa, área construída e outros fatores.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
30 de Setembro, 2020
Olímpia fechou setembro com a metade dos casos de agosto - 105
30 de Setembro, 2020
Olímpia tem mais uma morte na 4.ª feira e fecha setembro com 18 óbitos por Covid - 134
30 de Setembro, 2020
Proprietário de chácara que perdeu quase tudo diz que fogo começou perto do rio Cachoeirinha - 435
30 de Setembro, 2020
Vídeo mostra extensão de queimada que quase atingiu a zona urbana de Olímpia na quarta-feira - 203
30 de Setembro, 2020
Incêndio possivelmente criminoso quase atinge a cidade no início da tarde de 4.ª feira - 318


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       








Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites