iFolha - Lei Maria da Penha: Brocanello diz que a questão vai além da lei e passa pelo preconceito e evolução moral

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 20 de Novembro de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 19/11/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 11 de Agosto, 2019 - 17:16
Lei Maria da Penha: Brocanello diz que a questão vai além da lei e passa pelo preconceito e evolução moral

O delegado aposentado João Brocanello Neto (foto) declarou esta semana que não acredita que uma lei, por mais eficiente que seja, consiga resolver um problema que é muito mais amplo e passa pelo preconceito, pela moral e pela própria condição de vida das mulheres no Brasil.

Brocanello que atuou como delegado por 28 anos, após abordar como causas maiores o próprio machismo presente em nossa sociedade, destacou que há muito a se fazer e que “o ser humano tem que evoluir muito mais, principalmente no aspecto moral”.


Para ele, a mulher ainda enfrenta muito preconceito em todos os segmentos e, além disso, tem que se desdobrar muito mais que o homem, inclusive para se estabelecer.

Mas destacou que a lei, no entanto, foi um avanço no aspecto institucional, pois trouxe alguns suportes tanto o trabalho policial como para a própria proteção para a mulher. Cita, por exemplo, os casos em que antes a mulher arrependida podia retirar a queixa e que hoje não é mais possível que, inclusive causava transtornos para a atividade policial. “Hoje é possível retirar o marido agressor da casa, fazendo com que ele saia e deixe a mulher em paz. Além das outras medidas cautelares de afastamento. Nós sabemos que só isso não é suficiente, mas isso já é um grande avanço”, explicou.

Sobre os aspectos negativos da lei, como delegado, o que via era o de que algumas mulheres se utilizavam do mecanismo protetor da Lei Maria da Penha para imputar crime ao marido sem esse crime ter existido. Ele cita que já chegou a presenciar caso em que a mulher se autolesionou para imputar o crime ao marido e retirá-lo de casa.

Brocanello ressalta também que uma coisa importante é que a lei possibilita que não apenas a mulher denuncie a agressão que está sofrendo. “A própria comunidade, a vizinhança, então eu entendo que vizinho é importantíssimo, vizinhos laterais, vizinhos frontais que acompanham o dia a dia, escola, o trabalho, um colega de trabalho ver a colega machucada, aquela situação que a pessoa se demonstra frágil, debilitada e temerosa até de fazer a denúncia”, enfatizou.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
19 de Novembro, 2019
Fazendo sucesso - 434
19 de Novembro, 2019
Aloe vera ou babosa, tanto faz! O importante é que traz benefícios para a saúde e beleza - 195
19 de Novembro, 2019
Luan Santana lança álbum ao vivo "Viva" - 157
19 de Novembro, 2019
O filme A Tabacaria já está disponível! - 202
19 de Novembro, 2019
Geleia de Morango - 439


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites