iFolha - Lima Duarte e o personagem que o consagrou

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 02 de Março de 2021
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 02/03/2021
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA


Olimpia, 22 de Fevereiro, 2021 - 21:10
Lima Duarte e o personagem que o consagrou

01- Por sua magistral atuação como Zeca Diabo em “O Bem Amado”, o personagem do ator Lima Duarte ainda é lembrado com muito carinho, mesmo depois de quase 50 anos / Nelson Di Rago

 

02- O visual de Zeca Diabo foi concebido pelo próprio ator. O chapéu que seguiu com o personagem por toda  a trama foi conseguido em um churrasco que o ator participou / Arquivo GB Imagem

 

03- Lima Duarte estreou no teatro na década de 60. No início de sua carreira foi ator de radionovelas na Rádio Tupi e posteriormente passou a fazer novelas na TV Tupi. Na Globo, desde os idos da década de 70, contabiliza um sucesso atrás do outro / Arquivo GB Imagem

 

04- Assim que pandemia der uma trégua, Lima Duarte volta aos Estúdios Globo para gravar sua participação na nova temporada de “Aruanas” / João Miguel Jr-RG

 

05- Para quem não sabe, Lima Duarte também foi dublador. Nos anos de 1960 emprestou sua voz a célebres personagens famosos de desenhos animados dos estúdios Hanna-Barbera / Raquel Cunha-RG

 

Lima Duarte e o personagem que o consagrou

Com a entrada da novela “O Bem Amado” no catálogo do Globoplay, os fãs do ator podem conferir sua atuação impecável como Zeca Diabo

 

Lima Duarte não é só um dos mais conhecidos atores brasileiros, mas é também um dos mais queridos e lembrados pelo público em geral, ainda mais agora que sua magistral atuação como Zeca Diabo em “O Bem Amado” pode ser conferida no Globoplay. Aliás, foi essa atuação que deu fama nacional ao ator e o personagem ainda é lembrado como um ícone da televisão brasileira, mesmo depois de quase 50 anos de sua primeira aparição.

“O Bem Amado”, a novela de 1973, que marcou a história como o primeiro folhetim em cores do Brasil e o primeiro a ser comercializado internacionalmente pela Globo, segue como uma obra atemporal. Escrita por Dias Gomes, a trama começa com o corrupto e demagogo Odorico Paraguaçu (Paulo Gracindo), que se candidata a prefeito de Sucupira e se elege com o slogan “Vote em um homem sério e ganhe um cemitério”. O problema é que ninguém morre para que a obra seja inaugurada. Por isso, o prefeito resolve consentir a volta do matador Zeca Diabo (Lima Duarte) à cidade com a garantia de que ele não será preso. A esperança é que ele lhe arranje um defunto. 

O prefeito só não esperava que Zeca Diabo voltaria a Sucupira disposto a nunca mais matar ninguém, pois quer virar um homem correto. Odorico tem como aliadas as irmãs Cajazeiras: Doroteia (Ida Gomes), Dulcineia (Dorinha Duval) e Judiceia (Dirce Migliaccio), que mantêm relacionamentos amorosos com o prefeito sem desconfiarem umas das outras e Dirceu Borboleta (Emiliano Queiroz), seu fiel secretário pessoal.

“O autor, Dias Gomes, era um crítico profundo e inteligente. A novela tinha personagens maravilhosos, tipos profundos, muito bem compostos e o povo se apaixonou”, recorda o ator Lima Duarte, que fez sua estreia em novelas da Globo interpretando o Zeca Diabo. 

“Eu inventei todo esse jeitinho dele de falar com as pessoas. Na época, eu fui na figurinista e disse que iria arranjar a roupa. Fui em um tintureiro na Estação da Luz, em São Paulo, onde consegui um terno escuro. Depois, fui em um churrasco de um amigo em Sorocaba e um dos convidados tinha um chapéu. Achei que seria um bom chapéu para o personagem, um matador que não mata”, Lima recorda, saudoso, e agradece: “Foi a primeira novela que fiz na Globo e, graças ao Zeca Diabo, não saí mais dela e nem também do imaginário brasileiro”. 

Assim que pandemia der uma trégua, Lima Duarte volta aos Estúdios Globo para gravar sua participação na nova temporada de “Aruanas”.

Nascido Ariclenes Venâncio Martins, no dia 29 de março de 1930, no vilarejo de Desemboque, perto de Uberaba, em Minas Gerais, aos dezesseis anos migrou para São Paulo a bordo de um caminhão de mangas. O seu primeiro trabalho na capital paulista foi de carregador de frutas.

Naquela época já queria ser ator; arrumou um trabalho de sonoplasta na Rádio Tupi e foi lá que conheceu o grande Oduvaldo Vianna que o convidou para fazer um caipira numa de suas radionovelas, mas precisava mudar de nome: nascia o ator Lima Duarte. Seu saudoso amigo, o autor Cassiano Gabus Mendes o homenageou ao batizar de Ariclenes um dos protagonistas da novela “Ti-Ti-Ti” de 1985, interpretado por Luiz Gustavo.

Somente na Rádio Tupi foram 26 anos e teve direito a participar do programa inaugural da televisão brasileira em 1950, quando estreou a TV Tupi.

A estreia no teatro aconteceu em 1961, no espetáculo “O Testamento do Cangaceiro”, de Chico de Assis. Por esta sua atuação, ganhou o Prêmio Saci e uma bolsa de estudos em Nancy, na França. Com a cara e a coragem, partiu para a Europa e ficou por lá até o ano seguinte.

De volta, continuou trabalhando no teatro e paralelamente atuou na primeira e até então única novela bíblica da televisão brasileira, “O Rouxinol da Galileia”, de Júlio Atlas, em 1965. Ainda na TV Tupi, trabalhou também como diretor de novelas. 

No ano de 1972, Lima Duarte fez seu primeiro trabalho na Globo, em “O Bofe”, que amargou baixos índices de audiência. No entanto, pouco tempo depois, em “O Bem Amado” teve a oportunidade de interpretar um dos seus mais célebres personagens, Zeca Diabo, consagrando-se como um dos maiores atores brasileiros. E desde então, foi um sucesso atrás do outro, dos quais não poderia deixar de ser lembrado o Sinhozinho Malta, de “Roque Santeiro” em 1985, pelo qual ganhou o prêmio de Melhor Ator da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA).

Junto com seu trabalho na televisão, Lima Duarte é figura presente no cinema nacional em dezenas de filmes, premiado em vários festivais; o seu filme mais recente é “O Juízo”, de 2019.

Para quem não sabe Lima Duarte também foi dublador. Nos anos de 1960 emprestou sua voz a célebres personagens famosos de desenhos animados dos estúdios Hanna-Barbera, como o gato Manda Chuva, o jacaré Wally Gator e o cão Dundum (parceiro da Tartaruga Tuchê).

Na televisão contabiliza um punhado de trabalhos, entre novelas e outras produções.

O ator Lima Duarte sempre preservou sua vida pessoal. É pai da talentosa atriz Débora Duarte, avô da renomada atriz Paloma Duarte e têm outras duas netas, Daniela e Vera, outras duas filhas de Débora.

Ele não nega que adora sua família e nem pensa em parar de trabalhar. Tem fôlego e talento de sobra.

 

 


 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
02 de Março, 2021
Taís Araújo é pé no chão - 66
02 de Março, 2021
As verduras ficam mais nutritivas se foram cozidas sem água. - 39
02 de Março, 2021
Caviar para tratar os cabelos - 54
02 de Março, 2021
MC Kekel e MC Rita estão juntos de novo. - 58
02 de Março, 2021
Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa - 58


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       


















Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites