iFolha - Família de Olímpia encontra filho que não via há 37 anos iFolha - Neve o ano todo no Brasil? Tem sim!

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 22 de Maio de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 20/05/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 22 de Julho, 2018 - 21:56
Família de Olímpia encontra filho que não via há 37 anos

Da redação com G1 Campinas

Uma família olimpiense, que grande parte reside no Jardim Santa Fé, na zona leste da cidade, acabou encontrando um filho que não via há aproximadamente 37 anos, quando ele deixou sua casa em busca de trabalho, inclusive em outro país. Morador de rua, ele nem imaginava que seus pais ainda o procuravam. Fabiano Moreira Gomes, de 63 anos de idade, viveu nas ruas da região central de Campinas, e não acreditava que os pais, de 87 anos, ainda estivessem vivos.


De acordo com o trabalho da jornalista Patrícia Teixeira, que foi divulgado nesta semana, passados alguns anos, ele aceitou o acolhimento da Prefeitura da cidade. Conseguiu assistência médica, alimento, moradia, benefícios. Era uma das 623 pessoas em situação de rua em Campinas, até o dia 13 de julho, quando foi encontrado por três de seus irmãos.

Do adeus à família para buscar emprego no Paraguai aos recursos limitados nas ruas do Centro de Campinas foram 37 anos. Em situação de rua, Fabiano Moreira Gomes passou por acasos que mudaram seu destino. Após ganhar perfil no Facebook e ser vítima em um registro policial, foi localizado pelos irmãos. A distância deu lugar a um reencontro surpreendente.

Os primeiros momentos com a família foram registrados em vídeos feitos pela irmã Marta Gomes Dias, de 43 anos. O dia 13 de julho de 2018 ficará marcado para sempre. “Não imaginava. Não esperava essa maravilha de encontrar meus parentes. Meus pais, meus irmãos, meus sobrinhos”, conta Fabiano.

Sem histórico de álcool e drogas, Fabiano era conhecido de quem passava com frequência na Avenida Francisco Glicério, uma das principais da cidade. Um lugar que marcou pelo sofrimento. “Eu vivi sete anos na rua, mas fora dos meus parentes, 37 anos. Antes desse tempo andei em vários lugares, Paraguai, Paraná, trabalhando em outros serviços. E na rua fiquei um ano e quatro meses sem tomar banho, sem molhar nem a sola da mão”, lembra Fabiano.

Com pai e mãe ainda vivos, ambos com 87 anos, a caçula de nove filhos Marta Gomes Dias, de 43, tinha apenas 6 quando o irmão foi tentar ganhar a vida no Paraguai. Quando pensava nele, achava que estaria com família ou até morto. Mas a esperança era sempre alimentada pela mãe. “Minha mãe dizia: ‘Eu não vou morrer antes de ver meu filho’. Ela tinha certeza, sentia no coração que ele estava vivo”, conta emocionada.

Medo de pessoas dificultava assistente fazer aproximação

O resgate dos laços familiares de Fabiano Moreira Gomes vinha sendo uma missão também para Cláudia Gripe nos últimos meses, principalmente nas últimas semanas. Ela é monitora social do programa SOS Rua, da Prefeitura de Campinas, e acompanhava o caso dele e nem desconfiava que o encontro estava prestes a acontecer. Conta que sempre esbarrava na dificuldade que Fabiano apresentava para se aproximar das pessoas.

“Ele tem um longo histórico de rua em Campinas. A princípio não aceitava nenhum tipo de aproximação. Sofreu várias violências nesses anos, mas quando acontecia alguma coisa muito grave, ele pedia para chamar assistência e SAMU”, conta.

“Já tentaram roubar as coisas dele, já foi ferido gravemente, teve algumas passagens pelo Hospital Municipal Dr. Mário Gatti, (HC da) Unicamp. Ele tem diabetes, pressão alta”, completa.

Depois que as coisas não deram certo no Paraguai e a passagem por cidades no Sul e Sudeste até parar em Campinas, o emprego não veio como imaginava e a rua foi a opção que restou.

“Eu não consegui serviço. Quando eu pedia, me enrolavam. Meu troquinho acabou e fui para rua, fui viver do que o povo me dava”, lembra Fabiano.

Passados alguns anos, ele aceitou o acolhimento da Prefeitura. Conseguiu assistência médica, alimento, moradia, benefícios. Era uma das 623 pessoas em situação de rua em Campinas, até o dia 13 de julho.

“Foi um desfecho muito surpreende. Toda a evolução do caso foi surpreendente, era uma pessoa que não aceitava nenhum tipo de aproximação. Eram poucas vezes que ele aceitava ajuda, foi acompanhado por vários profissionais. Resultado de um trabalho de parceria. É uma realização”, comemora Cláudia Gripe.

Perfil criado por comerciante no Face foi visto por cunhada

Esse encontro é uma prova de que uma ferramenta digital utilizada com bons sentimentos e desprendimento em fazer o bem, sempre colabora com a população. Os cerca de 350 km que separavam Fabiano Moreira Gomes da família, começaram a ser encurtados quando uma comerciante da região central de Campinas decidiu criar um perfil do morador de rua no Facebook, conta a irmã.

Coincidentemente, uma das cunhadas de Fabiano viu o perfil e a foto chegou aos irmãos. A semelhança com o pai deles impressionou. As buscas sem sucesso desde o sumiço dele pelo Pa­raguai haviam terminado ali.

Vigilante no Fórum da cidade de Olímpia, Marta Gomes Dias pediu ajuda a um policial militar. Com nome e data de nascimento, a busca foi por meio de registros na Polícia Civil.

Os mesmos dados estavam num boletim de ocorrência registrado em março de 2018, quando Fabiano havia sofrido uma tentativa de furto ao carrinho que usava para transportar seus poucos pertences.

“Um dia depois que o descobrimos na rede social, comecei a procurar, mandar foto nos classificados. Foi uma semana desde que localizaram o Fabiano na rede social e até localizar o BO. A gente conseguiu o endereço da delegacia e foi pra Campinas. Foi muito rápido”, conta a irmã. “Foi muita surpresa. Não tem nem palavras para agradecer a Deus por esse privilégio de ter encontrado ele”, acrescentou Marta.

Os pais foram informados com todo o cuidado por conta da hipertensão e da saúde frágil. À meia-noite de 13 de julho, uma sexta-feira, Marta e dois dos irmãos saíram de carro de Olímpia rumo a Campinas. A viagem foi longa até encontrarem o local exato. Às 8h30 estavam na porta da delegacia.

“A gente entrou em contato com um policial e ele disse onde a gente poderia encontrar uma pensão, o endereço que ele deu quando fez o BO. Eram dois quar­­tei­rões da delegacia. A gente foi andando a pé e todo mundo que a gente via na rua, a gente olhava”, explica.

Ao chegarem na pensão, foi o próprio Fabiano quem os recebeu. Os irmãos não demoraram a contar o propósito da visita e as lembranças que vieram à tona foram suficientes para o homem ter a certeza de que estava diante da sua família e, principalmente, saber que os pais estavam vivos e esperando por ele.

“A gente começou a falar coisas do passado que só ele mesmo poderia lembrar. Para ele acreditar que era a família mesmo. Foi caindo a ficha, a felicidade foi demais. Ele ficou em choque. (Quando soube dos pais) ele chorou de emoção, para ele foi uma surpresa”.

Fabiano integra programas de assistência da Prefeitura de Campinas e, resolvidas as questões burocráticas, entrou no carro com os irmãos às 12h30 do mesmo dia. No fim da tarde, ele já estava junto de seus pais em Olímpia.

“(Os pais) estavam sentadinhos. Os vizinhos, todo mundo na rua querendo ver, esperando a volta dele, pessoas que nunca viram ele na vida, mas todo mundo queria ver”.

O abraço nos pais foi longo e de poucas palavras. Um a um os irmãos se revezaram entre carinho e muita emoção. Acolhido na casa de Marta, onde a família busca ajuda de doações para construir um quartinho para ele, Fabiano ainda parece sob o encanto de toda a mudança em sua vida.

“Senti uma coisa muito maravilhosa. É dura a situação, né, a vida de um pobre. Não tenho mais palavras”, diz Fabiano já com a voz embargada e emocionado.

 

Ifolha

Olimpia, 11 de Março, 2019 - 08:55
Neve o ano todo no Brasil? Tem sim!

O visitante entra em uma atmosfera mágica e lúdica que envolve cada espaço do Snowland. Para proporcionar o clima europeu, o parque possui equipamentos com tecnologia de ponta que, além de manter as temperaturas na “área de neve” entre -3º e -5º, produzem neve de verdade a partir da reprodução do microclima natural / Divulgação



Com uma arquitetura temática, o Vilarejo Alpino possui uma atmosfera europeia, que remete os visitantes aos Alpes Suíços. Neste espaço, está localizada a maior pista fixa de patinação / Divulgação

 

 

Você gostaria de conhecer neve, mas está com pouca grana para se aventurar no exterior para viver esta experiência? Pois bem, aqui no Brasil tem neve o ano inteiro. Não acredita? Sim, o que era sonho se transformou em realidade e ganhou forma há cinco anos, em 2013, quando o primeiro parque de neve do País, o Snowland, foi inaugurado em Gramado, no Rio Grande do Sul.

Desde lá, a atração tem construído uma sólida trajetória, a qual tem como base a criação de entretenimento em ambiente nevado, proporcionando experiências únicas e inesquecíveis, além da promoção da prática de esportes de inverno em solo brasileiro.

Além de fomentar o turismo de entretenimento, o que fica evidente quando se apresenta o número de mais de 1,7 milhão de visitantes em cinco anos, o Snowland também participa integralmente do desenvolvimento econômico da cidade e da região.

Com picos mensais de 30 mil visitantes na baixa temporada e recorde de até 50 mil na alta, tornou-se um aclamado destino turístico por reunir em um só lugar duas características importantes para quem busca férias inesquecíveis: a magia dos filmes e o encantamento das histórias infantis!
O visitante entra em uma atmosfera mágica e lúdica que envolve cada espaço do Snowland. Para proporcionar o clima europeu, o parque possui equipamentos com tecnologia de ponta que, além de manter as temperaturas na “área de neve” entre -3º e -5º, produzem neve de verdade a partir da reprodução do microclima natural.

Com certeza, a “área de neve” é um dos espaços mais divertidos do Snowland, com seus mais de 8 mil m² totalmente dedicados ao frio e neve de verdade!

No local, pode-se assistir a apresentações teatrais; brincar com jogos analógicos; conhecer o Castelo de Neve; brincar nos tobogãs adulto e infantil e no Tubing, uma descida sobre boia por 90 metros de rampa. Para quem busca mais aventura, a diversão fica por conta da prática de esportes como o esqui e o snowboard na ampla pista de 120 metros de extensão.

E se o desejo for apenas apreciar a neve, a pedida é tomar um chocolate quente no Hot Café ou, simplesmente, curtir o Pub da Montanha que, além de servir a linha completa de cervejas especiais da Cervejaria Rasen, oferece cardápio de lanches e pratos principais. Tudo isso, sob um clima típico dos alpes, ao pé da montanha. É de esquentar o coração de qualquer um!

O espetáculo Flokus conta a jornada dos Guardiões da Neve em busca de uma solução para que a neve volte a cair. De forma lúdica e divertida, são abordados temas, como: os efeitos do aquecimento global, a preservação da natureza, a importância do amor e o valor da amizade. No final, neva de verdade no reino de Flokus e sobre o público, com toda a sua magia, encantando espectadores de todas as idades.

Com uma arquitetura temática, o Vilarejo Alpino possui uma atmosfera europeia, que remete os visitantes aos Alpes Suíços. Neste espaço, está localizada a maior pista fixa de patinação no gelo do Brasil, onde os visitantes podem patinar e assistir a shows de patinação artística no gelo com campeões nacionais e internacionais da modalidade. No entorno da pista, um minicentro comercial composto por diversas operações está à disposição dos visitantes. No segundo andar do Vilarejo Alpino, há uma ampla área de alimentação.

Com a proposta de tornar ainda mais atrativa as noites de Gramado, o Parque lançou o evento Snowland Night. Passeio noturno na Montanha de Neve, descida no mega tubing, chocolate quente no Hot Café, show artístico de patinação no gelo, apresentações musicais variadas e curtir momentos únicos na
Exclusivamente criado para a diversão das crianças, o espaço Snowkids possui fliperama, games e está ambientado cenograficamente com casinhas interativas, que simulam um pequeno vilarejo nevado. Os pequenos também podem brincar no La Bamba; comer um delicioso algodão doce; simular um passeio de trenó no Cinema 7D que, utilizando tecnologia de ponta, reproduz os movimentos do carrinho em assentos semelhantes a um cockpit de Fórmula 1 ou ter uma experiência virtual de como é esquiar no Simulador de Esqui 7D, primeira plataforma dinâmica em pé do Brasil que tem o objetivo de proporcionar aos visitantes as mesmas sensações de quem esquia em uma pista nevada.

Para garantir a segurança e a diversão com os esportes de neve, o parque disponibiliza a contratação de aulas de esqui e snowboard na Escola de Neve. Primeira do Brasil, ela emite certificado e conta com instrutores treinados e capacitados em Bariloche. Para as duas modalidades existem aulas teóricas e práticas, além do aluguel de equipamentos.

Também tem a “Escola de Esportes de Inverno”. Atualmente, alunos realizam aula semanal de patinação no gelo, esqui ou snowboard. Os treinamentos são ministrados por instrutores capacitados no exterior.

O parque oferece total infraestrutura ao visitante como fraldário, praça de alimentação, estacionamento, armários para guardar pertences, entre outras comodidades.

O valor do passaporte varia de acordo com a temporada, tendo custos adicionais para foto lembrança, aulas de esqui e de snowboard e aluguel dos equipamentos para a prática destes esportes.

O Brasil tem neve sim, sai mais barato que uma viagem no exterior, mas mesmo assim é bom você ir preparado, como em qualquer parque temático do mundo, tudo é pago no Snowland


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
20 de Maio, 2019
Vida real - 61
20 de Maio, 2019
Os amigos da cabeleira - 59
20 de Maio, 2019
O CD da novela Verão 90 chegou nas lojas - 59
20 de Maio, 2019
O filme Oitava Série chegou nas locadoras - 51
20 de Maio, 2019
Arroz-doce Caramelizado - 63


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       




























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites