iFolha - Quando as palavras mal colocadas se transformam nas distorções destrutivas das chamadas Fake News

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 11 de Dezembro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 10/12/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 25 de Novembro, 2018 - 16:10
Quando as palavras mal colocadas se transformam nas distorções destrutivas das chamadas Fake News

FUJA DO FAKENEWS! CLIQUE ACIMA E ASSISTA A ENTREVISTA
DO PREFEITO FERNANDO CUNHA NA RÁDIO CIDADE NA ÍNTEGRA!

 

Se o pensamento não consegue retratar com clareza, se as palavras soam inconclusivas, seja pela emoção, seja por má interpretação da razão, o espaço se abre para aqueles que fazem da profissão o exercício da distorção da realidade em benefício de seus senhores, os verdadeiros donos de suas almas”.
Mestre Baba Zen Aranes.


COM CERTEZA, ...

... ou sem certeza e se foi planejada, foi muito bem pensada, o assunto da semana não foi mais uma condenação do imperador Genial Genioso, em mais uma das suas várias e diversas ações e, agora, também seus mais de 30 inquéritos em andamento (ditos por ele mesmo), dos 100, em que 70 já conseguiu engavetar.


TAMBÉM NÃO ...

... foi nenhuma outra notícia mais estrondosa que pudesse ter movimentado os fuxiqueiros que hoje não se postam mais nas esquinas e botecos da vida, mas, sim, à frente de seus “smartphones”, verdadeiros computadores de mão, onde registram seus momentos de alegria, mas também despejam fel e veneno, alimentando ódios e gerando verdadeiras guerras em comentários nas redes sociais.

E O QUE É PIOR ...

... sempre imperando um baixo nível gigantesco e um linguajar chulo, a provar que somos mais de 150 milhões de zumbis que não sabem quem é nem pra onde ir.

O QUE ...

... ganhou os caminhos virtuais foi a entrevista do prefeito Fernando Cunha, no programa Cidade em Destaque, da rádio Cidade FM, da última quarta-feira, quando, demonstrando um certo nervosismo em razão da verdadeira guerra que vem travando com o seu hoje desafeto Eugenio Genial, às vezes com palavras ríspidas, outras com algumas frases um tanto quanto desconexas, acabou falando por uma hora e meia do que aconteceu em seu mandato que chega ao final do segundo ano.

AOS OLHARES ...

... desinteressados de uma plateia sem segundas intenções, ou sem o atino ao chamado mundo da politicagem, num primeiro momento repercutiu positivamente. Falou de tudo. Explicou tudo o que foi perguntado, à sua maneira, mostrando a visão de como está o município que encontrou em “petição de miséria” e o que espera para o futuro, além de expor como pretende resolver os problemas crônicos deixados pelo seu desafeto.

ACONTECE QUE ...

... em tempos de Fake News e de guerra de bastidores entre ele e seus assessores e os puxa-sacos, as dezenas de apaniguados que Genioso tem à sua disposição e em sua defesa, com certeza, não ficaria barato. Os seres do submundo da comunicação, aqueles que vendem a alma, baixam a servis, encontrariam brechas em uma hora e meia de explanação, para sacar frases do contexto e distorcer e passarem para a população aquilo que o sujeito não quis dizer.

OS DITOS CUJOS ...

... conseguiram extrair frases marcantes dentro de contextos mais amplos em que elas significavam justamente o inverso do que significariam isoladamente, para criar Fake News dantescos. O prefeito, por exemplo, ao tentar explicar que uma das soluções para se resolver o problema da UPA, construída erroneamente por Elgênio do outro lado da cidade, seria ela estar ao lado da santa casa, acabou afirmando que o paciente ao invés de morrer na UPA, iria morrer na Santa Casa, mas no sentido de que até poderia morrer, mas tendo acesso a muito mais recursos e grandes chances de ser salvo.

ORA, ...

... elementar e aí é que surgem os Fake News. Retirando apenas a frase mal formulada (convenhamos) do contexto, a ideia que passa é a de que tanto faz para o prefeito que o paciente morra na UPA ou na Santa Casa. E realmente não foi isso que quis dizer. Entendeu?

ESTA É UMA ...

... das principais técnicas de criação de Fake News: pegar frases ou pequenas assertivas, ou qualquer pequena evidência do que realmente aconteceu para dar veracidade a mentira que se quer propagar. Isso deveria ser crime passível de pena grande. Principalmente quando é tão explícito assim.

NA VERDADE, ...

... nem bem acabou a eleição para presidente, governadores, deputados e senadores e já começou a guerra sucessória para a prefeitura e câmara de vereadores. Ainda mais que Fernando Cunha confirmou que é candidato à reeleição durante o programa.

AGORA É ...

... guerra total por mais dois anos. Ainda vai ter muita baixaria e falsidades que, como água, vão rolar por debaixo da ponte.

E O CLIMA ...

... de ódio que se instalou nos últimos anos, pelo menos em Olímpia, ainda continuará por mais dois. A não ser que haja a “judicialização” das redes sociais também.

SE A JUSTIÇA ...

... começar a punir aqueles que extrapolam de seus direitos de liberdade de expressão pela rede, pelo menos poderá acontecer o debate que proporcionará alimento para que a população não se subverta e seja dominada pelas mentiras e falsidades dos Fake News.

MAS, ...

... não há como esperar que a situação se modifique muito. Geninho já iniciou a fase de “judi­cialização” processando quem faz comentários achando que a internet é território livre e marginal. Cunha também terá que fazer o mesmo, senão apenas os puxa-sacos de seu desafeto é que terão o direito de distorcer e destilar ódio pela rede.

SE GENINHO ...

... há mais de uma década conseguiu ter um verdadeiro exército de lambe-botas ativos, atuante e disseminando fakes, tentando criar realidades virtuais para conseguir provar o improvável, Fernando também vai ter que construir, éticos ou não, serviçais ou não, seres que o auxiliem nesta batalha cruel que vai ser travada nos caminhos imaginários da internet, senão não vai conseguir se reeleger e ainda poderá ser destroçado por profissionais do submundo da comunicação.

José Salamargo – quem viver e sobreviver a esta hecatombe virtual, verá.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
10 de Dezembro, 2018
Dia 10 de dezembro: Dia do Palhaço - 32
10 de Dezembro, 2018
Quadrilha rouba a fazenda Baculerê no início da madrugada de 3.ª feira - 102
10 de Dezembro, 2018
Idosa cai no golpe do “falso sobrinho” - 97
10 de Dezembro, 2018
Uma Olímpia “distópica” à espera de dias melhores - 77
10 de Dezembro, 2018
Autônoma perde R$ 920 em compras pela internet - 93


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       




























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites