iFolha - Sobre as dificuldades de ler, hoje.

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 29 de Outubro de 2020
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 29/10/2020
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA


Olimpia, 11 de Outubro, 2020 - 23:53
Sobre as dificuldades de ler, hoje.

“Cada texto amplia as nossas perspectivas, muda nosso olhar para os universos ao nosso redor”.

 

Cleber Araújo Cabral
Ler, do latim legere, quer dizer escolher captar com os olhos. Mas esse gesto é tão antigo quanto o ser humano. Começamos lendo a natureza, o céu, o sol e as estrelas, para nos orientarmos nos caminhos do dia, da noite e da passagem dos dias. Depois, passamos à leitura dos alimentos e dos animais, distinguindo um fruto verde de um maduro, um venenoso de um benéfico, os selvagens e os amigáveis. Aos poucos, passamos a perceber, também, os sinais de quando alguém está saudável ou doente, feliz ou triste. Por fim, inventamos meios de escrever nossa interpretação do mundo em linguagens, imagens, símbolos.


Em comum, esses gestos nos mostram que somos criaturas leitoras, que percorremos o mundo e a nós mesmos como textos. Ler, por ser verbo, sinaliza um movimento de abertura, descoberta, exploração, viagem. Para quê? Guiarmo-nos nos caminhos do livro da vida, obra sempre provisória, continuamente reescrita, ora a borracha, ora a lápis. É por meio da leitura e da palavra que compreendemos nossa realidade e, por meio de palavras, nos entendermos.

Mas, e quando não conseguimos ler, ou o mundo se torna ilegível? O que essa dificuldade diz de nós, do tempo e do mundo nos quais vivemos? Gostaria, a partir de um conjunto de situações de leitura e de imagens do leitor, que prestemos atenção, também, nas dificuldades de perceber e compreender o que lemos. Por qual motivo? Pelo fato desses momentos serem tão instrutivos como aqueles em que conseguimos olhar ou falar sobre o que apreendemos de uma situação, página ou pessoa.


Muitos já abordaram as relações e impactos das tecnologias digitais na cultura do impresso e, por extensão, em como escrevemos e lemos. Fato é, nossa leitura, hoje, é mais acelerada e fragmentária do que era há 10 anos atrás. Isso se deve a vários motivos, sobretudo à ampliação da velocidade que produzimos e fazemos circular informações. Disso decorre um problema: essa aceleração da criação de conteúdos modificou as formas como atribuímos sentidos para o que lemos e, por extensão, aos modos que relacionamos essas informações à nós mesmos e à realidade ao nosso redor. Que tipo de leitor e de leituras essa aceleração tem produzido?

O escritor Alberto Manguel, inventivo explorador de lugares imaginários, propõe três figuras para pensarmos a história do leitor e das leituras: o viajante, a torre, a traça. O primeiro, percorre as páginas para descobrir o mundo. O segundo, se isola da realidade para a ler de longe. O último, tem fome de livros, mas muitas vezes se alimenta deles sem os digerir. Cada um deles encontra nos textos um ponto de partida para explorar o universo de formas diferentes. Como essas metáforas se relacionam com o contexto atual?

A traça se transforma em grilo, que pula de página em página, de aba em aba, de link em link, sem se demorar naquilo que lê/vê. O viajante, agora, transita não mais pela floresta de tinta, mas pelo oceano digital, a observar terras em constante atualização, passando de ponto a ponto da rede, parando apenas para um print ou selfie, aqui ou ali. A torre deu lugar à casa, refúgio no qual, a partir de telescópios, ora portáteis, como os smartphones, ora fixos, como as telas, permitem ver o mundo, mas sem os riscos da aproximação e do contato. Em comum, são leitores que experimentam pouco daquilo que leem, que não se demoram naquilo que as paisagens e as pessoas, com as quais têm contato, podem oferecer.

Só conseguimos ler ao percebermos as conexões entre textos e pessoas. E isso demanda não só envolvimento, mas disponibilidade. Dedicar tempo para ler é escolher compreender a si mesmo e as realidades nas quais se vive. Nesse ponto, a leitura é um convite ao reencontro com o mais próximo e distante de nós, no tempo e no espaço, seja o mundo fora de casa, seja a palma de nossas mãos. Se não conseguirmos ler, isso diz de nossa dificuldade de conexão com o que está ao nosso redor, apesar de hiperconectados. Cada texto amplia as nossas perspectivas, muda nosso olhar para os universos ao nosso redor. Retomando as metáforas do mundo como livro e da vida como viagem, lembremos que elas nunca permanecem as mesmas. Portanto, nos modifiquemos, também, envolvendo-nos, demoradamente, com os habitantes, as histórias, as paisagens e as palavras que encontrarmos em nossas jornadas.

Cleber Araújo Cabral é doutor em Estudos Literários, professor do curso de Letras do Centro Universitário Internacional Uninter.


Comentários - 1
Dourado
Publicado em 26 de Outubro, 2020

LER é uma atividade que vai desaparecendo aos poucos, vítima do pragmatismo, da aceleração dos fatos, da corrida profissional que não permite que o ser humano encontre tempo e disponibilidade para sorver e absorver os conteúdos disponíveis nas plataformas midiáticas e ou também nas páginas convidativas e dinossáuricas dos livros, dos jornais, revistas ou qualquer outro exemplar contendo letras ordenadas em frases. LER, em síntese, é apreender o conteúdo da configuração gráfica (ou manual) e ou apenas visual, modernamente nas telas das máquinas midiáticas, de maneira que possamos compreender a mensagem estampada e a partir daí construirmos nossa plataforma intelectual e autônoma que corresponderá às nossas percepções, o nosso pensamento, nossas observações, enfim todo o arcabouço constitutivo do nosso conhecimento e da nossa personalidade. À medida que a pessoa vai se aprofundando na leitura, na sua diversidade de conteúdo, diversidade de temáticas, também vai alicerçando sua capacidade de narrativa, facilitando seus contatos com outras pessoas e com o mundo. O LER em si não é estático, mas dinâmico na medida que a própria indústria envolvida com as diversas formas de apresentação da leitura vai criando novidades e ambientes facilitadores dessa absorção do conteúdo, de forma a encurtar o tempo, tanto folheando obras extensas, como clareando as letras nas telas dos computadores e assemelhados. Na era do instantâneo, essa celeridade vai afastando o clássico leitor dessa corrida maluca pelo já e agora, certamente causando uma cisão inexorável no prazer dos assíduos leitores de antanho que se envolviam e viviam nas bibliotecas sempre atrás de LER algo contido naquela imensidão de escritos modelares ou formais. Sempre é bom que ainda possamos- ainda que seja num estreito abraço às tecnologias restritivas do cheiro mofo e estante empoeirada- desfrutar com os habitantes, as histórias, as paisagens e palavras que encontrarmos em nossas jornadas que são, na verdade o alimento da noss'alma que dividiremos com qualquer ideologia, sem nenhum preconceito e com toda disposição do mundo para manter o bom senso, a cordialidade e a ventura em tempos de gabinetes do ódio e tentativas de cerceamento das liberdades. Eureka, diferente de Arquimedes que descobriu o peso dos corpos, sem esperar, o iFolha descobre Cleber Araújo Cabral ex dono aos seus leitores!

 
Ultimas Noticias
29 de Outubro, 2020
Motorista da Daemo denúncia suposta proposta para sabotar água da cidade e juiz manda suspender o “Blog da Verdade” foram os principais assuntos do Cidade em Destaque de quinta-feira, 29. - 66
29 de Outubro, 2020
Gravação surpresa do vereador Niquinha agradecendo as orações que recebeu, mais uma morte por Covid-19 e a extinção do processo do “chapeludo” foram os temas principais do Cidade em Destaque de quarta-feira, 28. - 152
28 de Outubro, 2020
Prefeitura interdita ponte na vicinal Matadouro/Kimberlit - 143
28 de Outubro, 2020
Um de manhã e outro no final da noite. Olímpia teve duas mortes na terça-feira - 169
28 de Outubro, 2020
Coligação recorre ao TRE e garante que o vídeo “viralizado” no “Whats” foi propaganda negativa - 205


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       








Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites