iFolha - TJ concede liminar dando mais prazo para a Uniesp sair do prédio da Faer

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 28 de Maio de 2017
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 28/05/2017
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 07 de Maio, 2017 - 12:55
TJ concede liminar dando mais prazo para a Uniesp sair do prédio da Faer

Ao julgar um agravo de instrumento, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) concedeu medida liminar concedendo mais prazo para que a Uniesp (União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo) e o IESP (Instituto Educacional do Estado de São Paulo, tenham que sair do prédio que pertence a antiga Faer (Faculdade Ernesto Riscali). A decisão é do relator da 36.ª Câmara de Direito Privado, Walter Cesar Exner.

O agravo de instrumento foi interposto contra a decisão da juíza da 1.ª Vara Civil de Olímpia, Marina de Almeida Gama Matioli, que em decisão na semana passada havia, inclusive, autorizado o uso de força para o cumprimento da ordem de despejo, para desocupação imediata de imóvel.

Entretanto, o relator considerou que essa decisão não considerou o “lapso temporal determinado em lei para casos de despejo envolvendo estabelecimento de ensino”.

As instituições alegam que estão em pleno período de aulas e que o cumprimento da ordem de despejo prejudicaria as atividades da instituição.

“Em que pese o prazo para desocupação fixado em sentença, contra a qual não foi interposto apelo, já ter se exaurido, conforme certificado pela serventia, a que se levar em conta que a agravante é prestadora de serviço público não privativo, aliás, pautado pelo princípio da continuidade, e que a desocupação pode gerar, neste momento, instabilidade e sensação de insegurança entre os alunos ali matriculados, notada­mente em face do fechamento do semestre letivo que se avizinha, sendo razoável suspender a ordem de desocupação”, cita trecho da decisão do relator.

E acrescenta: “Por esses motivos, afigura-se recomendável a concessão do efeito suspensivo buscado pela agravante, unicamente para suspender a ordem de desocupação até o término do atual semestre letivo, ante a gravidade da repercussão da medida sobre o interesse de terceiros, pois implica na suspensão de serviço público essencial, podendo ser objeto de reapreciação oportunamente”.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
28 de Maio, 2017
Polícia apura possível incêndio criminoso no J. Miessa - 124
28 de Maio, 2017
Acidente com ex-vereador deixa uma camareira ferida - 184
28 de Maio, 2017
Trabalhador rural é preso por furto de energia elétrica - 263
28 de Maio, 2017
Campanha contra a Gripe é prorrogada até 9 de junho - 129
28 de Maio, 2017
Assinados o contrato e a ordem de serviço para reurbanizar Marginal - 140


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites