iFolha - Uma viagem ao passado visitando Casa Branca

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 28 de Janeiro de 2021
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 28/01/2021
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA


Olimpia, 11 de Janeiro, 2021 - 21:14
Uma viagem ao passado visitando Casa Branca

Casa Branca fica a 230 km da capital de São Paulo e integra o Circuito Turístico Café com Leite. A cidade originou-se como um vilarejo no Século XVII ao redor de uma casa branca, que era utilizada pelos bandeirantes como pousada / Adelmo Carneti/Expressão Studio

 

A Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores concluída em 1889, em estilo Clássico Romano, é um verdadeiro monumento. Seu interior possui belas pinturas trabalhadas por artistas de diversas épocas, com painéis de cenas bíblicas. Ótima opção para quem aprecia a arte sacra.

 

Também conhecida como “Capital da Jabuticaba”, em Casa Branca os turistas podem conhecer plantações da fruta que somam mais de 30 mil pés. A cidade abastece muitos Estados do país, atingindo 70% da distribuição da fruta pelo Brasil.

 

Em Casa Branca pode-se observar o fenômeno conhecido por boçoroca, em que o terreno sofre imensa erosão, formando-se crateras no solo, conferindo-lhe aspectos dos cânions norte-americanos.

 

Magnifico interior da Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores. Arte para ser apreciada até por quem não é religioso.
Andar pelas antigas ruas e praças de Casa Branca vale por uma aula de História. As construções mostram o poderio que a cidade já usufruiu, desde suas ruas estreitas de 1814 com seus casarios construídos a mando do Decreto Real, como também nas varias fazendas espalhadas por suas terras em estilo Colonial Mineiro.

 

Uma viagem ao passado visitando Casa Branca

Cidade do interior paulista é conhecida por sua grande produção de jabuticaba e também por suas construções do tempo do império

 

A pandemia ainda não acabou e por isso, qualquer viagem deve ser muito bem programada. Verão, tempo de férias e diversão, mas com a Covid-19 assombrando a todos, o melhor é optar por destinos nacionais, sempre observando os protocolos de segurança do local a ser visitado. Máscara, álcool gel e distanciamento são essenciais para uma viagem em segurança para qualquer destino.

Casa Branca, cidade do interior paulista, mais conhecida como a “Capital da Jabuticaba”, vale uma visita. A cidade ganhou este nome, pois o vilarejo se originou ao redor de uma casa branca que era utilizada pelos bandeirantes como pousada, no Século XVII.

Terra do saudoso Ganymédes José Santos de Oliveira, famoso escritor infanto-juvenil que publicou centenas de livros nas décadas de 70 e 80, conquistando vários prêmios reconhecidos; em Casa Branca pode-se observar o fenômeno conhecido por boçoroca, em que o terreno sofre imensa erosão, formando-se crateras no solo, conferindo-lhe aspectos dos cânions norte-americanos. É possível reparar as diversas camadas de minerais encontradas já que, conforme o terreno vai cedendo à erosão vai se mostrando as diversas camadas de terra de cores variadas.

A cidade fica a 230 km da capital paulista e integra o Circuito Turístico Café com Leite.  Casa Branca é uma das cidades mais antigas Estado, nascida às margens da famosa “Estrada de Goiás”, rota dos Bandeirantes e sertanistas que colonizaram o interior do Estado de São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Fundada por decreto do Príncipe Regente D. João em 1814, o município participou de fatos históricos como a Guerra do Paraguai, Revolução de 1932 e a passagem de D. Pedro II para inauguração da Estrada de Ferro Mogiana. Bem no centro da cidade, no Largo do Rosário, existe ainda uma das Palmeiras Imperiais ali plantadas em comemoração a visita real e sua comitiva.

Andar pelas antigas ruas de Casa Branca vale por uma aula de História. As construções mostram o poderio que a cidade já usufruiu, desde suas ruas estreitas de 1814 com seus casarios construídos a mando do Decreto Real, como também nas varias fazendas espalhadas por suas terras em estilo Colonial Mineiro.

A Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores concluída em 1889, em estilo Clássico Romano, é um verdadeiro monumento. A Escola Normal concluída em 1932 embeleza a cidade e a cultura de um grande período sendo a segunda criada no interior de São Paulo.

Já o Fórum de Justiça, construído no estilo neoclássico, possui dimensões que chama a atenção; sendo que a maioria dos imóveis, que é Patrimônio Histórico e turísticos, está intacto e bem cuidado pelos seus proprietários.

Para o turista que gosta de artesanato, Casa Branca é um prato cheio. Bordados, esculturas, bebidas e doces são as marcas da cidade, e é claro, destacando-se principalmente o licor de jabuticaba uma tradição do município e que até em seu brasão ostenta o galho representando a Terra da Jabuticaba. Não deixe também de experimentar a cachaça de jabuticaba, que tem um gosto peculiar.

Voltando às boçorocas, muito retratadas em vários livros de Ganymédes José, também é uma atração à parte. Elas chegam a ter mais de 50 metros de profundidade, 1000 metros de comprimento e 610 metros de largura. O município possui aproximadamente 332 boçorocas.

Não importa se é criança ou adulto, caminhar pelas boçorocas, nos vales formados pelas erosões, no leito de um riacho de águas claras e frias, com o colorido dos barrancos, através das cores variadas das argilas, sentindo aos pés argila mole não tem preço. Por lá tudo é envolvente. Algumas revelam ainda seu estado de vegetação natural de serrado com vários pássaros, animais silvestres e lagos, formando assim um santuário que se tornou intocável. Outras que foram contidas pelo homem, com reflorestamento de eucalipto e pinheiros, estão aos cuidados do Horto Florestal de Casa Branca. Neste mesmo local existem viveiros de mudas das mais variadas espécies, na sua maioria de plantas nativas que são estudadas em seus laboratórios, para o uso do reflorestamento da cidade e região.

Para os amantes da natureza, um passeio pelo Bosque Municipal é imprescindível. Um dos principais pontos turísticos da cidade, a atração está em atividade desde a década de 1920. O visitante vai conferir belas paisagens do espaço de preservação ambiental.

Em meio a todas estas riquezas históricas e naturais, o visitante pode conferir toda hospitalidade do povo do interior, na cidade onde a economia é principalmente baseada no turismo.

Antes de fazer sua viagem para Casa Branca, pesquise sobre os protocolos sanitários ao combate da Covid-19 e as atrações que estão em funcionamento neste momento de pandemia. Se organize e se programe, assim fará uma viagem inesquecível.

 


 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
28 de Janeiro, 2021
O regresso para a fase vermelha foi o principal tema do Cidade em Destaque de segunda-feira, 25. - 29
28 de Janeiro, 2021
Olímpia recebe 480 doses da vacina da Fiocruz e pode imunizar 1120 pessoas - 79
26 de Janeiro, 2021
Falta de consciência da população mata mais dois por covid-19 em Olímpia na 2.ª - 348
25 de Janeiro, 2021
Perda de audição, uma doença silenciosa! - 88
25 de Janeiro, 2021
Costa Rica tem natureza com belas paisagens - 99


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       








Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites