iFolha - Viver e reviver Varsóvia é uma opção de cultura e entretenimento

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 29 de Outubro de 2020
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 29/10/2020
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA


Olimpia, 05 de Outubro, 2020 - 14:26
Viver e reviver Varsóvia é uma opção de cultura e entretenimento

01- Inúmeros monumentos espalhados por Varsóvia nos fazem relembrar quanto o país sofreu durante a Segunda Grande Guerra. Um dos mais visitados é o que relembra as vítimas do Gueto de Varsóvia / GB Imagem

 

02- O Castelo Real de Varsóvia está localizado na porta da Cidade Velha. É símbolo da história e resistência polonesa. Construído há mais de sete séculos, resistiu ao tempo e aos ataques, inclusive durante a II Guerra. Hoje o prédio abriga o Museu Nacional / GB Imagem

 

03- Varsóvia foi dizimada e reconstruída depois da guerra com a ajuda internacional. As construções antigas fazem contrates com os modernos prédios espelhados que dão um tom todo especial no cenário do local / GB Imagem

 

04- O imponente Palácio Branicki ganhou esse nome quando foi adquirido pela importante família de magnatas. A construção data do Século XVII, mas foi parcialmente destruído em 1941. Reconstruído, hoje abriga o Museu de Literatura / GB Imagem

 

05- Frédéric François Chopin, mais conhecido como o compositor Chopin, também foi homenageado em Varsóvia, a capital da Polônia, seu país-natal / GB Imagem

 

06- O Palácio da Cultura e Ciência, construído em 1955 merece atenção especial, o prédio é considerado o mais alto da Polônia e abriga centro de exposições, salas de conferências, escritórios, cinemas, teatros e livrarias. É um ponto badalado da cidade / GB Imagem

Neste período de pandemia, antes de fazer qualquer viagem, o turista deve sempre se informar como estão os protocolos de combate ao novo coronavirus no local a ser visitado. Muitos países ainda estão com restrições à entrada de estrangeiros, mas a cada protocolo divulgado, as orientações podem mudar, por isso é sempre bom se manter atualizado. Pesquise e planeje suas férias juntamente com seu agente de viagens e faça uma viagem tranquila e segura.

A dica desta semana é para quem quer fazer uma viagem cultural e inesquecível por Varsóvia.

Lembrando as aulas de Geografia, Varsóvia é maior cidade da Polônia e fica às margens do Rio Vístula e sede de grandes indústrias, instituições de ensino superior, além de ser importante centro comercial e cultural.

Injustamente, a Polônia só é lembrada quando se fala do saudoso Papa João Paulo II, ou quando estudamos a Segunda Guerra Mundial e assim o país parece ficar como sendo uma das últimas opções quando o assunto é turismo. Na verdade, a sua capital, Varsóvia, reserva muitas surpresas.

A região também ganhou fama na II Guerra Mundial por ter sido alvo da invasão nazista que instalou um gueto aprisionando quase 500 mil judeus. Após a Resistência Polonesa, a cidade foi dizimada e reconstruída depois da guerra com a ajuda internacional.

O passado difícil e marcado pela tenacidade do povo polonês é lembrado através de vários monumentos espalhados pela cidade. A capital da Polônia possui ainda muitas igrejas que dão banho de cultura nos turistas. Vale lembrar a Catedral de São João, construída no Século XVI, em estilo gótico e a Igreja de Santa Cruz, que foi reconstruída no Século XVI.

Falando dos monumentos, vale à pena conferir aquele que é dedicado aos heróis do Gueto de Varsóvia e aos da Resistência Polonesa; o monumento dedicado a Nicolau Copérnico e outro ao compositor Chopin.

O Palácio da Cultura e Ciência, construído em 1955 merece atenção especial. O prédio é considerado o mais alto da Polônia e abriga centro de exposições, salas de conferências, escritórios, cinemas, teatros e livrarias. É um ponto badalado da cidade.  

O último rei da Polônia foi Estanislau II e sua Residência de Verão, construída em 1680, virou atração turística fazendo parte do Centro Histórico de Varsóvia, que é inscrito na UNESCO como patrimônio da humanidade.

O Palácio Branicki leva o nome da família que o comprou nos idos do Século XIX e tem uma bonita história. A construção foi parcialmente destruída durante a II Guerra e reconstruída em 1967; em sua decoração existem quadros de Bernardo Belotto e atualmente abriga o Museu de Literatura. 

O Castelo Real de Varsóvia é símbolo da soberania polonesa. Desde o Século XVI, os gabinetes pessoais dos reis e gabinetes administrativos estiveram ali localizados. O imponente prédio fica bem na entrada da chamada Cidade Velha. Ao longo da história, o palácio sofreu várias invasões tendo sido saqueado inúmeras vezes, mas resistiu e a sua estrutura original sofreu algumas modificações, mas sem perder a imponência e importância. Atualmente abriga o Museu Nacional.

Atrações interessantes, a cidade tem, mas onde se hospedar? Varsóvia é servida por uma confortável gama de hotéis, alguns pertencentes às redes internacionais que oferecem luxo e conforto em apartamentos de vários preços. Populares também são os albergues para a juventude que oferecem cama e café de manhã a preços bem convidativos. Estes são lugares bem animados, geralmente procurados por um público mais jovem e também por aqueles que gostam de animação.

A gastronomia é um capítulo à parte. Tem pratos para todos os gostos e para todos os bolsos. Come-se desde a tradicional comida local até iguarias da cozinha internacional.

Imperdível mesmo são os restaurantes tradicionais situados nos prédios históricos. Alguns deles finalizam o menu às vistas do cliente. Nestes locais, se come o melhor da cozinha polonesa, destacando-se as sopas servidas sobre pães perfumados e saborosos; arenque preparado na hora; pierog, uma espécie de ravióli; “stek tartar”, carne finamente picada e temperada com ingredientes especiais; e para finalizar, pastéis de papoula. Isto para citar apenas algumas opções.

A cidade tem movimentada vida noturna. Além dos restaurantes e bares que costuma lotar de gente alegre e risonha, existem vários clubes de jazz, tidos como os melhores da Europa, cassinos e teatros, todos oferecendo algum tipo de espetáculo.

Gostou? Planeje suas férias. Fazer uma pesquisa e consultar seu agente de viagens é o primeiro passo para uma viagem inesquecível.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
29 de Outubro, 2020
Motorista da Daemo denúncia suposta proposta para sabotar água da cidade e juiz manda suspender o “Blog da Verdade” foram os principais assuntos do Cidade em Destaque de quinta-feira, 29. - 66
29 de Outubro, 2020
Gravação surpresa do vereador Niquinha agradecendo as orações que recebeu, mais uma morte por Covid-19 e a extinção do processo do “chapeludo” foram os temas principais do Cidade em Destaque de quarta-feira, 28. - 152
28 de Outubro, 2020
Prefeitura interdita ponte na vicinal Matadouro/Kimberlit - 143
28 de Outubro, 2020
Um de manhã e outro no final da noite. Olímpia teve duas mortes na terça-feira - 169
28 de Outubro, 2020
Coligação recorre ao TRE e garante que o vídeo “viralizado” no “Whats” foi propaganda negativa - 205


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       








Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites