iFolha - Olímpia fecha 1.º semestre devendo mais de R$ 13 mi

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 30 de Abril de 2017
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 26/04/2017
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 13 de Novembro, 2016 - 14:13
Olímpia fecha 1.º semestre devendo mais de R$ 13 mi

O município de Olímpia fechou o primeiro semestre deste ano com uma dívida superior a R$ 13 milhões. Os dados fornecidos pelo Tesouro Nacional à Confederação Nacional dos Municípios (CNM), colocam a Prefeitura entre as sete de cada dez que fecharam as finanças públicas no vermelho nos primeiros seis meses deste ano.

A dívida da Prefeitura de Olímpia – R$ 13.18­6.532 – é a oitava maior entre 66 municípios da região noroeste, segundo a publicação feita pelo jornal Diário da Região, de São José do Rio Preto, na edição do domingo, dia 6.

O rombo chega a R$ 750 milhões - só em Rio Preto são R$ 288 milhões de déficit. A queda no repasse de verbas, sobretudo o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), foi de 15% neste ano, estima a CNM.

O drama dos prefeitos dessas cidades, inclusive do prefeito de Olímpia, Eugênio José Zuliani, é que a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) proíbe gestores públicos de deixar restos a pagar sem provisão em caixa no fim do mandato.

Por isso, para minimizar o rombo, as prefeituras do Noroeste paulista, inclusive a de Olímpia, têm apelado para a demissão de servidores comissionados, redução de expediente, cortes de horas extras.

LIÇÃO PARA PREFEITOS

A crise econômica atual deixou uma lição para as prefeituras, na opinião do especialista em administração pública da Unesp Álvaro Martim Guedes. “É preciso repensar o planejamento da coisa pública a médio e longo prazo e não só até o fim de cada ano”, diz.

Para Guedes, a crise é cruel por atingir especialmente a fatia mais pobre da população. “São os que mais dependem do poder público”, avisa.

Além da falta crônica de recursos, o aumento do desemprego e o achatamento do salário fez com que muitos trocassem a escola particular do filho e o plano de saúde da família pela rede pública.

A crise se agravou neste ano porque os prefeitos contavam com R$ 99 bilhões de repasses do FPM em 2016, mas a previsão é que esse valor não chegará a R$ 84 bilhões no fim do ano.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
26 de Abril, 2017
PM de Barretos apreende quase dois kg de drogas que viriam para Olímpia - 122
26 de Abril, 2017
Comerciante tem alta hospitalar e deve prestar esclarecimentos a polícia - 234
25 de Abril, 2017
OFC empata com Portuguesa com gol de pênalti que causa tumulto - 104
25 de Abril, 2017
Ladrões furtam 15 cabeças de gado em fazenda de Olímpia - 142
25 de Abril, 2017
Comerciante sofre tentativa de roubo em porta de agência bancária no centro de Olímpia. - 144


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites